Divulgação/Náutico
Divulgação/Náutico

Para corrigir atos racistas do passado, Náutico lança camisa preta

Clube terá peça de apoio à campanha Black Lives Matter para tentar compensar episódios de preconceito, como o veto a atletas negros

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2020 | 13h38

O Náutico lançou nesta sexta-feira uma camisa preta para homenagear o movimento antirracista Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). Em vez das tradicionais cores vermelha e branca, o clube pernambucano terá agora um uniforme diferente. A proposta é compensar algumas falhas passadas de episódios de racismo, como ter sido o último time do Recife a permitir a presença de atletas negros.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o Náutico fez questão de chamar para a apresentação da camisa o ex-goleiro Nilson, que jogou pelo rival, Santa Cruz. No começo dos anos 2000, o então jogador foi vítima de cânticos racistas durante partidas disputadas no estádio dos Aflitos. "Era um coro racista imitando som de um macaco e foi um som muito forte. Você lembra daquele som e sabe que aquilo foi feito por causa da cor de sua pele", disse Nilson. Anos mais tarde, ele teve passagem também pelo próprio Náutico.

Segundo dirigentes do clube, a nova camisa marca o compromisso de buscar corrigir falhas anteriores. "O Náutico tem uma das mais belas histórias do futebol brasileiro. É claro que existem erros e, como não se muda o passado, quem faz o presente pode reconhecê-los. Porque a história continua sendo escrita. Reparar não é possível? Podemos corrigir. O Náutico é alvirrubro, mas também de todas as cores, raças, gêneros e crenças", afirmou o presidente do Náutico, Edno Melo.

A equipe promete a partir do lançamento da camisa intensificar campanhas de conscientização e incentivar denúncias contra casos de racismo. "Essa camisa representa o reconhecimento do clube de um passado racista e o entendimento que a tolerância é zero em relação a isso. O Náutico tem um canal direito com torcedor, através do site e aplicativo oficial, para denúncias de racismo", explicou o vice-presidente de marketing, Luiz Filipe Figueirêdo.

O ex-goleiro Nilson elogiou a camisa e a proposta do clube de tentar abordar erros antigos. "O mais importante de tudo isso, é a ação que o Náutico montou. É ver o Náutico abandonando o passado que ele não se orgulha, que é do racismo. Saber que o clube está levantando essa bandeira e dizendo 'não' ao racismo me faz ficar muito orgulhoso. Me sinto honrado em ter participado dessa ação", comentou

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.