Para Cuca, Libertadores é a prioridade

Enquanto descansa em Curitiba, Cuca imagina o São Paulo que começará a armar a partir de 12 de janeiro, quando será apresentado oficialmente como treinador para iniciar o trabalho que tem como meta principal a Libertadores da América (a estréia, contra o Alianza Lima, no Peru, é em 4 de fevereiro). O Paulistão, a partir de 21 de janeiro, servirá como teste. "Também é importante, mas nossa prioridade é a Libertadores. Os primeiros jogos do Paulista podem definir o time titular da Libertadores."AE - Não falta um craque nesse time que você está montando?Cuca - Não. O Ricardinho é craque e pode render como antes. Existe também a possibilidade da vinda do Rivaldo. E há outros jogadores como o Vélber, o Danilo e o Souza que podem render muito e se transformarem em craques.AE - O Danilo não joga muito parecido com o Ricardinho?É muito similar. Têm características semelhantes, mas é possível jogarem juntos. No futebol, tudo é possível. E dá para ser campeão sem um grande craque, como você está cobrando.AE - Como?Com um grupo homogêneo como o que estamos formando. Jogadores versáteis e lutadores que podem vencer qualquer adversário. Vamos montar um São Paulo que una técnica, velocidade e vontade de vencer.AE - Qual esquema será usado?Não se monta um time com um único esquema. A intenção é mudar as coisas de um jogo para outro ou mesmo em uma mesma partida - e isso sem uma substituição. Podemos alterar o posicionamento de um jogador e mudar o jogo. O Gustavo Nery, por exemplo, é um coringa que posso utilizar em várias posições, como o Rojas já fez.AE - Mas você indicou muitos jogadores. Isso significa que já tem um esquema definido?Não. No Goiás, eu joguei com três zagueiros e três atacantes, mas isso só depois que senti como eram os jogadores. Qualquer esquema de jogo só dá certo se você utilizar bem as qualidades dos jogadores que tem.AE - Então, você ainda não escalou o time?Fico pensando nas várias opções que teremos. Monto um quebra-cabeça aqui e outro ali, mas tudo pode mudar no primeiro treino. Quem treinar melhor é que vai jogar. Os jogadores que indiquei não tem a camisa de titular garantida. Todos terão as mesmas oportunidades.AE - Como devem ser os seus zagueiros?Têm de ser tão rápidos como os atacantes adversários. Assim, terão mais chance no caso de ficar no mano a mano, o que nunca é recomendável. Se o zagueiro não é rápido, é necessário um bom esquema de cobertura.AE - E os laterais?Precisam marcar e apoiar. O Fábio Santos é muito bom. Ele apóia indo até o fundo do campo e também entrando pelo meio, em diagonal. Vamos olhar todos, porque o nosso grupo ainda está em formação.AE - Falta um volante como o Tinga?O Tinga é bom, mas eu gosto também do Josué, do Goiás. Além deles, tem o Roberto, da Ponte, e o Túlio, do Botafogo.AE - Para o ataque, você indicou o Marquinhos e o Caio, do Paraná Clube?Sim, mas não para o ataque. Eles são meias. Quem pode jogar no ataque é o Vélber. E tem o Dejair também. Gosto muito dele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.