Para dirigente, Pekerman pode desistir de deixar a Argentina

Julio Grondona, presidente da AFA, ainda acredita que conseguirá fazer José Pekerman mudar de idéia de renunciar à direção da seleção argentina. ?Fui surpreendido por sua decisão. Não sabia de nada. Para mim, nada ainda está fechado. Vamos conversar com mais calma em Buenos Aires.? Pekerman só comunicou sua decisão a Grondona depois de haver dito aos repórteres que não ficaria. ?Ele me pediu desculpas por isso e está tudo bem. Vamos tratar do assunto depois, com mais calma.?O treinador comunicou sua decisão de abandonar a seleção nesta sexta-feira, pouco depois da eliminação da Argentina, nas quartas-de-final da Copa do Mundo, pela Alemanha, nos pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, em Berlim.Pekerman estreou em 9 de outubro de 2004, com uma vitória por 4 a 2 sobre o Uruguai, pelas Eliminatórias. Classificou o time em segundo lugar, atrás do Brasil no saldo de gols. Venceu o Brasil por 3 a 1 em Buenos Aires, pelas Eliminatórias, mas perdeu por 4 a 1 na decisão da Copa das Confederações no ano passado. Ao todo, foram 28 partidas, com 15 vitórias, sete empates e seis derrotas. Sorín e Riquelme foram os jogadores que mais atuaram, com 23 participações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.