Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Para escapar de descenso, Portuguesa contrata hipnólogo

Ex-jogador Olimar Tasser afirma que foco será fortalecer confiança e segurança dos jogadores no trabalho para atingir objetivo

Rafael Fiuza, O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2014 | 17h17

Em umas das situações mais delicadas da história do clube, a Portuguesa decidiu contratar um hipnólogo para continuar na Série B. Após passagens por equipes como no Paulista, Guarani, Ponte Preta e Bahia, Olimar Tesser chega ao Canindé para tentar mudar a posição da equipe na Segundona, no mínimo.

O ex-jogador de futebol fez o primeiro trabalho com os atletas na noite de segunda-feira, mas já conversou com o grupo que irá enfrentar o Vasco, no Canindé, nesta terça-feira. O objetivo de Tasser será fortalecer os jogadores emocionalmente e possibilitar que eles tenham maior confiança e, consequentemente, acertos em campo. "Neste primeiro momento, o foco será na reconstituição psicológica dos atletas, que passam por um momento turbulento no campeonato. A partir disto, iremos pensar na fase da Portuguesa no torneio nacional", afirma o hipnólogo.

O clube paulista não vence na Série B há oito jogos e aparece na penúltima colocação da tabela, com 21 pontos, 11 atrás do Paraná, primeira equipe fora da zona do descenso. Para escapar do rebaixamento, a equipe de Vagner Benazzi precisa fazer aproximadamente 45 pontos nas rodadas restantes. Esta pontuação só será possível se a Portuguesa ganhar pelo menos oito dos últimos 11 jogos no torneio.

SEMELHANÇAS

Em 2010, quando trabalhava no Paulista de Jundiaí, a equipe do interior passou por momento semelhante ao vivido pela Portuguesa agora. Na reta final do campeonato estadual, o time de Jundiaí amargava a lanterna da competição e precisava de quatro vitórias em cinco jogos para escapar do rebaixamento, feito conquistado na última partida do torneio. "Enquanto a matemática for favorável e existir uma possibilidade, acreditamos que é possível reverter o quadro", diz Tasser sobre às expectativas e semelhanças com o trabalho realizado em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.