César Greco/ Ag Palmeiras
César Greco/ Ag Palmeiras

Para espantar fama de 'bad boy', Dudu muda e comemora volta por cima no Palmeiras

"Eu mudei e sabia que tinha de mudar', afirma atacante e capitão do Palmeiras

Daniel Batista, Estadão Conteúdo

24 de novembro de 2016 | 18h46

Até pouco tempo, falar no atacante Dudu trazia a lembrança de um jogador problemático dentro e fora de campo. Mas 2016 tudo mudou para o capitão palmeirense e muito se deve a mudança de pensamento e atitudes do jogador. Nesta quinta-feira, ele admitiu, em entrevista coletiva, que percebeu a necessidade de mudar para conseguir se tornar mais útil aos companheiros no Palmeiras.

"Eu mudei e sabia que tinha de mudar. Meus companheiros precisavam de mim e não dava para ficar toda hora tomando cartão bobo, que prejudicavam a mim e a equipe. Estou bem tranquilo nessa questão e espero melhorar mais a cada dia", disse o atacante, que mesmo com 24 anos, desbancou atletas mais experientes como Zé Roberto e Edu Dracena e se tornou capitão do time palmeirense.

"Sabendo que tem líderes no grupo, pessoas mais velhas que poderiam ser capitães e foram em outras equipes, fico feliz por ser o capitão. Tive esse privilégio e só tenho que agradecer ao Cuca, ao Alexandre (Mattos) diretor de futebol, ao presidente (Paulo Nobre) e ao grupo, que confia em mim e me dá todo o respaldo para ser capitão", disse.

Após o jogo com o Botafogo, Cuca revelou que teve diversas conversas com Dudu onde o cobrava para que aparecesse mais nos jogos e se tornasse um atleta mais participativo. Irritado, o atacante chegou a reclamar com o treinador e pediu para ser chamado também quando jogasse bem. Desde então, colecionou boas atuações, se tornou capitão e um dos atletas mais importantes da campanha no Campeonato Brasileiro.

"O Cuca me chamava na sala para mostrar o scout, dizia que eu estava pegando pouco na bola e que deveria participar mais. Se não me engano, contra o Vitória, ele me chamou depois do jogo e elogiou. No jogo seguinte, contra o Atlético-PR, ele me chamou e disse que eu seria o capitão não só para aquele jogo, como iria continuar com a faixa", contou o atacante.

Nas redes sociais, torcedores fizeram algumas montagens simulando Dudu levantando a taça. O atacante se diverte com a situação. "Vejo no Instagram o pessoal fazendo montagens e espero que domingo possa se concretizar. Não vai ser jogo fácil e não vamos ter moleza. Mas são 22 anos que a gente não conquista esse título, por isso, os 11, 20 ou 30 jogadores que forem para o jogo, vão estar todos muito focados."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.