Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Para ex-lateral Cafu, Vinícius Jr. vai ser importante para seleção em 2022: 'Amadureceu muito'

Em entrevista ao jornal espanhol Marca, o ex-capitão também comentou sobre a declaração de Neymar afirmando que a Copa do Catar pode ser a sua última na carreira

Redação, Estadão Conteúdo

06 de novembro de 2021 | 12h55

Ser o atleta que mais vestiu a camisa da seleção brasileira e o único jogador na história que disputou três finais de Copa do Mundo — e vencendo uma como capitão credenciam o multicampeão Cafu como uma das principais vozes do futebol da atualidade. Hoje, o ex-lateral direito é um dos embaixadores da Copa do Catar de 2022 e foi em Doha que ele atendeu ao jornal espanhol Marca para uma entrevista que, entre vários assuntos do futebol atual, ele afirmou que Vinícius Júnior tem amadurecido e pode ser uma peça importante para a seleção daqui um ano.

“Ainda não sabemos se ele irá, mas se continuar nessa evolução, acho que dentro de um ano ele será um jogador importante da seleção brasileira. Ele cresceu muito nos últimos meses e tem um papel muito importante no Real Madrid. Amadureceu muito”, disse o ex-lateral. Depois de ficar de fora da lista de convocados para os jogos contra Colômbia e Argentina pelas Eliminatórias, Vinícius Júnior foi relacionado por Tite no lugar do atacante Firmino, do Liverpool, que se lesionou em partida pela Liga dos Campeões na última quarta-feira.

O capitão do Penta também foi questionado sobre a declaração de Neymar afirmando que o mundial do Catar seria o seu último como jogador. "Caso isso ocorra, a decisão será dele e deverá ser respeitada. Seria uma pena porque é muito jovem e uma referência no futebol mundial. Acho que ele ainda joga muito”, disse ao jornal espanhol.

Para Cafu, Vinícius Júnior tem potencial para suceder Neymar como ídolo dos brasileiros e ser principal jogador da seleção em caso de aposentadoria do craque do PSG. Mas afirma que não há aindaum jogador pronto para preencher esse espaço tão cedo. “Infelizmente, o Brasil está muito carente de ídolos hoje. E não só o Brasil, mas o futebol mundial em geral. No Brasil temos grandes jogadores como Vinicius e Rodrygo, mas ainda não existe um ídolo pós-Neymar”, opinou. 

Na concepção de Cafu, Phillipe Coutinho, do Barcelona, é um dos jogadores que pode ter capacidade de ser um dos grandes ídolos do futebol brasileiro na atualidade, “mas tem que voltar a jogar bem”, ressalta o ex-lateral.

Quando questionado sobre os melhores laterais-direito atualmente no mundo, Cafu citou Alexander-Arnold, do Liverpool; Achraf, do Paris Saint-Germain; Carvajal, do Real Madrid e lembrou do compatriota Daniel Alves que, desde que deixou o São Paulo no início de setembro, não assinou ainda com nenhum outro clube. 

E quem é o favorito para ganhar a Liga dos Campeões? Cafu não ficou em cima do muro: “PSG. Em todas as suas linhas tem jogadores decisivos. E isso porque ainda falta Sergio Ramos, que será importante quando  se recuperar”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.