Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Para Fábio Santos, clássico vale 'mais que os três pontos'

Jogador foi criado no lado tricolor, mas fez fama no Corinthians e entende como ninguém a importância do confronto de quarta-feira

PAULO FAVERO, O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2015 | 07h00

O clássico de quarta-feira contra o São Paulo, pela Libertadores, não será uma simples partida entre dois rivais. O lateral-esquerdo Fábio Santos sabe muito bem o quanto vale esse duelo. Ele, que foi criado no lado tricolor mas fez fama no Corinthians, entende como ninguém a importância do confronto.

"Será mais um momento histórico, a gente sabe que nunca aconteceu isso de ter um Corinthians e São Paulo na Libertadores. É bacana poder viver isso. O Corinthians me proporcionou vários momentos bons na carreira e fico feliz por fazer parte de mais um jogo dessa grandeza. Apesar de ser fase de grupos, e valer só os três pontos, a gente sabe que vale muito mais do que isso."

Ele foi o único titular que estará em campo contra o São Paulo que começou jogando contra o Botafogo pelo Paulistão. E mostrou serviço ao marcar os dois gols de pênalti na vitória por 2 a 1. "A gente sabe que o Corinthians valoriza demais quando joga contra o São Paulo, e do outro lado é a mesma coisa. Uma vitória vai valer os mesmos três pontos de outras partidas, mas a gente sabe que para a continuidade do campeonato é importante uma vitória para dar confiança. Nesse sentido, vale mais do que os três pontos."

Se nas categorias de base ele já era um jogador talentoso no São Paulo, foi no Corinthians que ganhou fama. Ele acha graça da situação que ocorreu na sua carreira, porque acabou se tornando ídolo no time do Parque São Jorge. "É engraçado, porque fui criado no rival, criado para odiar todos os outros times de São Paulo, e calhou ter essa maior identificação no principal rival do São Paulo. Estou feliz, me identifiquei desde o primeiro momento, ganhei os principais títulos da minha carreira aqui, cresci como profissional no Corinthians e posso agradecer esse carinho dentro de campo beijando o símbolo", conta, citando o gesto que fez ao marcar o gol contra o Botafogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.