Para fazer exames, Cicinho não joga

O técnico do São Paulo, Paulo Autuori, foi surpreendido antes mesmo do início da partida contra o Fluminense. No vestiário do Morumbi, ele foi avisado de que Cicinho ? que foi relacionado e seria titular ? não poderia jogar. O motivo: nesta quinta-feira pela manhã o jogador realizaria exames acompanhado por médicos do Real Madrid para poder assinar um seguro enquanto não se apresenta na Espanha e teria de ficar em jejum de 12 horas. Sem um substituto, o jeito foi improvisar o volante Alê na tentativa de brecar as descidas de Juan. O treinador não escondeu a irritação. Ainda mais por que Cicinho poderia ser aproveitado depois de três jogos fora por punição imposta pelo STJD. ?Já foi. Agora é incentivar o Alê e dar força para a equipe?, disse o técnico, curto e grosso. Alê acabou pagando o pato. A torcida não perdoou a falta de ousadia do volante. Quando tentava uma jogada e errava era ironizado: ?Vai Cicinho!? ou ?Vai aprender a jogar bola!? O garoto, no entanto, não pode ser responsabilizado pelo empate (1 a 1) contra o Flu ? resultado que mantém o São Paulo na zona de rebaixamento. Ninguém sabe mais explicar o que está faltando. ?Difícil dizer, mas luta e raça é que não faltam?, garantiu Richarlyson. ?A gente tem de viver a realidade. E hoje, a realidade é o rebaixamento. Mas o São Paulo é grande e vai sair dessa.? Amoroso tem um discurso parecido. ?Falto um pouquinho mais de cada um, inclusive de mim. Só que jogando em casa temos sempre que sair com os três pontos, senão complica. E temos de ficar mais atentos nas bolas de área. Este está sendo o nosso defeito?, cobrou o atacante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.