Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Para Fifa, público da Copa do Mundo no Brasil está garantido

Entidade recebe mais de 5,5 milhões de pedidos de ingressos na primeira fase de vendas

Jamil Chade, enviado especial, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2013 | 07h46

GENEBRA - O público está garantido. Faltam apenas a infraestrutura e um controle de preços. Nesta quinta-feira, a Fifa conclui a primeira fase de venda de ingressos para a Copa do Mundo com a constatação de que não faltará gente para os jogos e alertando que as vendas são as últimas antes que os torcedores brasileiros tenham de competir pelos mesmos ingressos com milhares de europeus. Mas a procura abre uma crise entre governo, empresas e a Fifa em relação ao abuso de preços que torcedores poderão enfrentar no Brasil. Em muitos países, pacotes individuais já chegam a ser vendidos por mais de R$ 30 mil para ir ao Brasil ver a Copa, sem direito ao ingresso.

 

A Fifa insiste que é a última a chance do torcedor brasileiro se beneficiar, já que muitos na Europa ainda aguardam a classificação de suas seleções para lançarem seus pedidos. No caso dos brasileiros, eles sabem onde e que dia a seleção jogará até chegar a uma eventual final.  "Os brasileiros têm essa vantagem e acho que não estão tirando proveito", declarou um dos representantes da Fifa. "A partir da segunda fase, todos estarão competindo contra todos por entradas", disse. Nesta quarta, faltando 24 horas para terminar a primeira etapa de venda de entradas, a Fifa revelou que 5,5 milhões de pedidos de ingressos haviam sido realizados, bem acima dos 3,8 milhões de lugares disponíveis nos 64 jogos da Copa. Em 89% dos jogos, as seleções entrarão em campo com casa cheia. Só os pedidos para a final no Maracanã superam em mais de dez vezes a capacidade do estádio.

 

O volume de vendas é considerado dentro da Fifa como um alívio, principalmente depois da Copa das Confederações e os temores de que as imagens dos protestos no Brasil afetariam o interesse pela Copa do Mundo. Os números não chegarão aos 8 milhões de pedidos feitos na primeira fase de vendas de ingressos para a Copa da Alemanha, em 2006. Mas ainda assim é considerado um sucesso. O número de pedidos do exterior também é importante. Depois da torcida brasileira, americanos e argentinos estão entre os líderes. A lista dos dez maiores ainda inclui Alemanha, Chile, Inglaterra, Japão, Colômbia, Austrália e até o México.

 

ABUSO

Mas nem por isso a Fifa está tranquila. Nas últimas semanas, a entidade e o governo têm trocando farpas sobre quem deve agir para evitar que o setor privado olhe para os números de demandas de ingressos e decida, de forma unilateral, aumentar os preços de todos os serviços. Um levantamento do Ministério do Turismo indicou que, para os meses de junho e julho de 2014, hotéis estariam cobrando preços 300% acima da média do mesmo período. Nos bastidores, a Fifa acusa o governo de ter "acordado tarde demais" para o problema.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaCopa do MundoCopa 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.