Para Gattuso, não há como marcar Zidane

A elegância e a qualidade do meia Zinedine Zidane são os sinônimos da seleção francesa, em contraste com a garra e determinação do volante Gattuso, representante do futebol da seleção italiana. Os jogadores deverão fazer um duelo à parte na final da Copa do Mundo, no próximo domingo, em Berlim, apesar de o italiano negar que fará marcação pessoal no francês. "Temos uma forma de jogar e nela não se encaixa uma marcação homem a homem", disse Gattuso. "Já joguei contra Zidane anteriormente, mas nunca o marquei pessoalmente. É claro que se ele cair pelo meu setor eu serei o encarregado, liberando Pirlo para avançar", comentou o jogador, que não esconde a admiração pelo meia francês. "Não se pode marcar Zidane. Mesmo que não esteja no melhor de sua forma, ele sabe controlar bem a bola. Apesar de ter 34 anos e estar fazendo a sua última partida, ele é um jogador que, por si só, vale o ingresso", explicou Gattuso, que parece saber como pelo menos minimizar o "Efeito Zidane". "O que é possível fazer é limitar a ação de Zidane, mas para isto é preciso um pouco de sorte e fazer o sinal da cruz", brincou o volante. Enquanto Zidane é a "inspiração", Gattuso é "transpiração", conforme explicou o próprio italiano. "Tenho minhas qualidades, mas tenho que agradecer ao Milan por me darem a oportunidade de trabalhar uma hora a mais por dia para poder melhorar."

Agencia Estado,

07 Julho 2006 | 18h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.