Para Geninho, a má fase acabou

Depois da vitória no clássico de domingo, o técnico Geninho acredita que a má fase acabou e cuida agora de trabalhar a equipe para conseguir a classificação. Mas não abrirá mão do esquema traçado, se só pensar na próxima partida. "Nossa única preocupação no momento é o jogo contra a Matonense: vamos lutar para somar pontos e ver no que dá mais para a frente". Por isso, não está muito preocupado com o fato de seu time ter mais quatro jogos no interior. "O Santos tem que se impor nessas partidas como fez no clássico e, assim como nós iremos jogar fora, as outras equipes que disputam a vaga também irão, o que dá um equilíbrio".Para o jogo de sábado contra a Matonense, Geninho não irá contar com o zagueiro Galván, suspenso pelo segundo cartão amarelo. Seu substituto será Pereira, que já entrou no lugar do argentino no domingo, por precaução. "Ele já tinha o cartão amarelo e já recebera a advertência de que seria expulso em outra jogada violenta e optei por não correr riscos", explicou o treinador.Além da vitória, outro ponto de satisfação do treinador foi o crescimento de sua equipe. "Ela voltou a ter aquela pegada forte, fez boa marcação e o resultado apareceu". Ficou satisfeito também com a nova cara que Rincón deu ao time. "Ele melhorou a saída de bola e, como é um jogador de muita liderança, facilita o trabalho do treinador, comandando o time dentro de campo".Geninho acha que o otimismo de seus jogadores aumentou com a saída, na semana passada, para treinar em Sorocaba."Eles começaram a sentir que a má fase estava acabando, pois esse período serviu para dar maior convivência ao grupo". O volante Renato concorda com o treinador. "Foi uma série de fatores positivos que contribuiu para essa vitória", disse ele, apontando a ida para o interior e a volta de Rincón e de Robert como determinantes da vitória sobre o Palmeiras, que interrompeu a longa série de cinco jogos sem vencer.Mas Renato também foi um dos responsáveis pela vitória, ao tirar uma bola em cima da risca. "Ainda não consigo entender, mas foi coisa de Deus", disse ele. "Eu estava dentro do gol, o Galeano um metro e meio à frente e, quando ele chutou tive a intuição de esticar a perna e acabei desviando. Quando caí, fiquei procurando a bola e não acreditei quando ela saiu".Robert sentiu dores na costela durante o clássico e compareceu ao CT Rei Pelé para dar continuidade ao seu tratamento. Ele deve atuar sábado contra a Matonense, pois a situação do time não permite mais derrotas. Já o volante Claudiomiro não tem data para voltar. Nos testes a que foi submetido, voltou a sentir dores e continuará o tratamento da distensão muscular da coxa esquerda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.