Para Gil, rapidez do ataque é a arma

O clima de rivalidade no Corinthians para o clássico contra o São Paulo, que vai ser disputado domingo em Presidente Prudente já começou. Hoje pela manhã, Gil deu entrevistas no Parque São Jorge afirmando que a velocidade do ataque, formado por ele, Deivid e Leandro seria a mesma estratégia para vencer o adversário, por considerar a defesa do São Paulo "um pouco lenta." Mas à tarde, o volante Vampeta, um dos mais experientes do time do Corinthians conversou com Gil, Deivid e Leandro no sentido de que não fizessem mais nenhum tipo de comentários sobre o adversário para não aumentar o clima de rivalidade. Gil entendeu o recado de Vampeta, e disse à tarde que em momento algum tentou menosprezar a zaga do São Paulo. Mas reafirmou que a velocidade é a melhor arma do Corinthians para tentar somar três pontos na partida e ficar próximo da classificação. "Temos realmente essa qualidade, da velocidade", ressaltou Gil. "Tanto eu como o Deivid e o Leandro atuamos assim, com movimentação e explorando os lançamentos em profundidade. Há ainda os avanços de Kléber pela esquerda. Portanto, vamos tentar levar vantagem sobre a defesa do São Paulo", disse Gil. "Não quero com isso provocar o time deles." Vampeta confirmou que com conversou com alguns jogadores, principalmente Gil, para abafar a situação. "Mas se ele falou sobre a defesa do São Paulo é porque o Gil está realmente voando baixo", disse Vampeta. Técnico contemporiza - Na opinião de Parreira, a defesa do São Paulo não é ponto fraco do time. "Nunca achei que esse setor seja um pouco lento. Continuo achando que o adversário é a melhor equipe da competição", afirmou o treinador, que não vê nenhum problema as duas equipes equipes viajarem juntas para a Presidente Prudente, sábado à tarde, como determinou a Federação Paulista de Futebol (FPF). "Acho que foi uma decisão sensata dos dirigentes para se economizar um vôo. Fora de campo somos amigos, mas na hora do jogo vamos lutar pela classificação para a semifinais do Rio-São Paulo e uma vaga na Copa dos Campeões. Portanto, uma partida que vale muito para os times", ressaltou o treinador. Farpas - A dúvida será se o vice-presidente do Corinthians, Antonio Roque Citadini, viajará no mesmo vôo. Ele se tornou uma espécie de persona non grata entre os dirigentes do São Paulo, por causa das críticas que tem feito contra o clube do Morumbi. Citadini até criticou a convocação do técnico da seleção Luiz Felipe Scolari para o amistoso contra a Iugoslávia, realizado quarta-feira, em Fortaleza, ao contestar a presença de Rogério Ceni, Belletti e Kaká entre os jogadores. A equipe do Corinthians está pronta para enfrentar o São Paulo. Sem problemas de contusão ou suspensão no elenco, Parreira disse que a escalação do time será a mesma da última partida. Hoje à tarde, o treinador até diminuiu um pouco a intensidade do treino para poupar seus jogadores, que pela manhã fizeram um coletivo contra o Osasco.

Agencia Estado,

28 Março 2002 | 18h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.