Para Kléberson, é hora de recomeçar

Começar do zero. Esta é tarefa de Kléberson na seleção brasileira. Campeão do mundo na campanha do penta, o meia trocou o Atlético Paranaense por um dos clubes mais ricos do mundo, o Manchester United. Teria tudo para fazer sucesso no futebol inglês e se eternizar na seleção. Dois anos depois da Copa, Kléberson murchou. Perdeu espaço no Manchester e na seleção. ?A minha meta é essa mesmo: começar do zero. Quero recuperar meu lugar no grupo da seleção. Cheguei ao topo na Copa do Mundo e caí. Não posso mais perder nenhuma chance.? Kléberson atribui o fracasso às mudanças na sua vida. Nascido em Uraí, Norte do Paraná, foi jogar no Atlético Paranaense. Em 2002, na véspera da convocação para a Copa da Coréia e Japão, conquistou a confiança de Luiz Felipe Scolari. E foi titular absoluto da seleção no penta. ?Fui negociado com o Manchester e tudo mudou. Cidade nova, tudo diferente, língua difícil. Fiquei um pouco assustado com tudo que me aconteceu.? No Manchester, Kléberson imaginou que seria titular. Começou com destaque mas depois caiu, ficou esquecido. ?Quando comecei a me adaptar ao clube, sofri seguidas contusões. Fiquei quase quatro meses sem jogar. Isso me prejudicou muito. Todo mundo esqueceu que eu também era um pentacampeão. No Brasil mesmo quase ninguém falou de mim.? Kléberson tem certeza agora de que iniciou o caminho da volta. E o retorno passa pelo Manchester. ?Agora estou adaptado ao clube. Aprendi a língua (inglês). Moro com a minha mulher e minha filhinha. Manchester é uma cidade fantástica, tranqüila. Estamos começando a entender as coisas. E no clube já entendo também o que os companheiros falam. Tenho certeza de que meu futebol vai voltar a aparecer.? Se depender de Parreira, Kléberson pode ficar tranqüilo. Basta recuperar o terreno perdido no clube inglês que a vaga na seleção é sua. ?Não se pode deixar de lado, esquecer um campeão do mundo. O Kléberson passou por momentos difíceis mas tem lugar na seleção se mantiver a regularidade no clube?, diz o técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.