Para Leandro, Palmeiras perde estilo com volta de craques

Lateral diz que time perde velocidade com as entradas de Edmundo e Valdivia para o clássico com o Santos

Juliano Costa, do Jornal da Tarde,

16 de julho de 2007 | 20h20

O time "pegador" do Palmeiras vai ter que mudar de estilo com a volta de Edmundo e Valdivia, acredita o lateral-esquerdo Leandro. Segundo ele, a ascensão do time no Brasileirão se deu porque todos vinham se desdobrando na marcação, "com um espírito pegador, de garra e luta, sem nenhum craque". Mas com o retorno dos dois titulares no clássico de quinta-feira, contra o Santos, tende a mudar a cara da equipe. "Os dois são craques. O ritmo fica mais cadenciado com eles", afirmou Leandro.Curiosamente, a atual série invicta de quatro jogos coincidiu com a ausência dos dois - Valdivia atuou só no segundo tempo do empate em 1 a 1 com o Grêmio, sábado, em Porto Alegre, já que passara o mês anterior com a seleção do Chile na Copa América. Já Edmundo havia machucado o tornozelo esquerdo na derrota para o Atlético Paranaense, dia 24, último jogo do jejum de vitórias que durou cinco rodadas para o Palmeiras.Recuperado, Edmundo treinou nesta segunda e ficará à disposição de Caio Júnior para o clássico. O técnico deve anunciar até quarta se o camisa 7 será escalado. Já Valdivia, poupado do coletivo, está garantido na equipe titular - deve entrar na vaga de Caio. Martinez, que cumpriu suspensão, também deve entrar no time, no lugar de Deyvid. O garoto Luís, de 20 anos, pode seguir como titular, apesar de a situação de Rodrigão e Max ter sido regularizada.FavoritoHá três semanas, quando o Palmeiras ainda amargava o jejum de vitórias, Leandro afirmou que o time "não devia nada para ninguém" e que estava "no mesmo nível dos melhores do campeonato". Na época, tais opiniões causaram perplexidade, mas nesta segunda ela disse o porquê de tanta certeza sobre a recuperação do time, em quarto lugar no Brasileirão."Futebol é momento. Não via um time que se destacasse mais que os outros, e continuo não vendo", disse ele, confiante no sucesso do Palmeiras: "Não vejo ninguém melhor que a gente. Estão todos no mesmo nível." Mesmo com tanta confiança, no entanto, ele mostra cautela e não quer assumir o favoritismo para o clássico - basta lembrar do empate por 3 a 3 no Paulistão. "Estávamos ganhando por dois gols de diferença, mas o técnico deles [Vanderlei Luxemburgo] fez duas alterações, o Santos melhorou e arrancou de nós o empate. O Vanderlei tem malandragem", disse o lateral, que foi campeão brasileiro com o treinador no Cruzeiro, em 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.