Para Leão, o mais difícil vem agora

Assumir um time cambaleante com o campeonato em andamento, criar um padrão de jogo, motivar um elenco, colocar ?bad boys? na linha, resgatar jogadores desacreditados, revelar jovens promessas, botar toda essa máquina para funcionar e levá-la até a Copa Libertadores não é novidade para Emerson Leão. O técnico fez isso no ano passado, com o São Paulo. E agora tenta fazer o mesmo com o Palmeiras.?O problema é que agora está mais difícil?, reconhece o treinador, que explica: ?Para mim, três vagas na Libertadores serão de Corinthians, Goiás e Internacional. Com isso, resta só uma vaga para outras quatro equipes. E o Palmeiras hoje está em quinto.?A disputa seria com Fluminense, Paraná e Santos. Ao time paulista, só resta confronto direto com o primeiro deles, na última rodada do Brasileirão, em 4 de dezembro, no Palestra Itália. ?Temos 30 pontos para disputar. Se conseguirmos 70% disso, estamos dentro?, calcula Leão. Ou seja: vencendo sete dos dez jogos restantes, o Palmeiras se garante na Libertadores. ?Mas já vi o Nelsinho Baptista falando que com 18 pontos o Santos se classifica. E eles estão quatro pontos atrás da gente?, lembra Leão.O técnico admite que a campanha atual do Palmeiras lembra muito a que teve com o São Paulo no ano passado. Na ocasião, Leão herdou de Cuca um time traumatizado pela desclassificação na Libertadores. Em pouco tempo, porém, ele definiu um esquema tático para o Tricolor (o 3-5-2), deu moral a jogadores como Danilo e Grafite, resgatou Diego Tardelli e apostou em jovens como Alê e Renan. Deu certo. O São Paulo se classificou para a Libertadores e com alguns reforços de peso para posições específicas, como Josué e Mineiro, aliados a uma espinha dorsal já bem definida, o time foi campeão paulista e continental no primeiro semestre.Leão agora tenta fazer o mesmo no time alviverde. Adotou o 4-4-2 como esquema, fez com que Marcinho Guerreiro ?aprendesse? a jogar, resgatou o criticado Diego Souza e deu moral a jovens como o atacante Cláudio. E tudo isso já pensando na temporada do ano que vem.O técnico jura que não jogou a toalha, mas admite que conquistar o título é algo ?quase impossível?. Ele explica: ?O Corinthians só não será campeão se errar muito. E isso não é do feitio deles.? Por isso, a meta passou a ser a Libertadores. Até a diretoria já comprou a idéia de Leão. ?Nosso objetivo é a classificação. Queremos montar um time forte para o ano que vem?, disse, recentemente, o presidente Affonso Della Monica.O técnico já informou à diretoria as posições para as quais precisa de reforços: ele quer laterais-direito e esquerdo, zagueiro, meia-armador e centroavante. Paulo Baier, do Goiás, é nome quase certo. Já as contratações de Léo e Elano, com quem Leão trabalhou no Santos, são consideradas ?inviáveis? por Ilton José da Costa, gerente de futebol do Palmeiras.Para Leão, o mais importante é não errar nas contratações. ?Só quero jogador nota 8. Não adianta nota 5.? Segundo o técnico, sua equipe hoje é ?nota 6?. E se quiser chegar à Libertadores precisa ser ?nota 7?. Para isso, é preciso começar a ganhar fora de casa. E nada melhor do que começar já no sábado, contra o Fortaleza, no Ceará. ?Quando assumi o Palmeiras, o time tinha uma campanha média em casa e horrível fora. Hoje, é bom em casa, mas só razoável fora. Isso não basta. Precisamos ganhar como visitantes também.?

Agencia Estado,

21 de outubro de 2005 | 09h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.