Para Leão, vitória está na mesa

O técnico Emerson Leão planeja um time ambicioso contra o Atlético-MG, neste domingo, às 16 horas, no Estádio Independência. E dá a receita. "O resultado está na mesa, é só saber se servir dele." Em 17 rodadas neste Brasileiro, o São Paulo esteve entre os três primeiros, que garantem vaga na Libertadores de 2005. E em outras três ficou entre os quatro melhores. Mas o ambicioso treinador quer mais. Ainda sonha com a conquista do título e, para isso, aposta nos contra-ataques com os rápidos Jean, que ganhou a vaga de Nildo, e Grafite. Os dois são sua aposta para trazer de Belo Horizonte a quarta vitória consecutiva na competição. "Eu penso na ponta. A Libertadores seria ótima conseqüência, mas, enquanto houver possibilidades do título, vamos atrás dele", afirma. Na matemática de Leão, serão necessários 27 pontos dos 33 possíveis. Além de alguns tropeços de Atlético-PR e Santos. Em sua visão, nada de alimentar esperanças de recuperação ao ameaçado Atlético. Leão não admite mais a perda de pontos para rivais em situação desesperadora, como aconteceu na derrota para Flamengo, Botafogo, Paysandu e Grêmio. "Melhor maneira de enfrentar este tipo de adversário é fazer seu melhor, sem pensar na situação que ele vive", recomenda. "Com o Grêmio não foi assim e acabamos perdendo." Quer seriedade, empenho e pés no chão. "Há seleções maravilhosas em Eliminatórias. Na Copa, porém, são eliminadas na primeira fase." E, no São Paulo, o que Leão diz vira lei. Nada de contrariar o chefão. "O Independência é um caldeirão, o Atlético fica fortalecido e no começo vem a mil. Se segurarmos 15, 20 minutos, aí jogaremos de igual para igual", diz Cicinho num primeiro instante. Uma olhadinha para o comandante e o discurso muda. "Estamos iniciando a caçada ao Atlético-PR e ao Santos, não podemos mais perder pontos. Com todo o respeito ao Atlético, vivemos momento melhor e temos de aproveitá-lo."O zagueiro Rodrigo acredita que é possível reverter o fator torcida pressionando o adversário desde o início. "Temos de partir para cima, assim, o apoio dos torcedores se transforma em vaias," acredita. E a palavra empate está fora do dicionário são-paulino. Significa tropeço. "Com uma derrota a gente fica ainda mais distante dos líderes e praticamente sai da briga", lembra. "Dificilmente o Atlético-PR e o Santos vão perder dois jogos seguidos." Após a partida deste domingo, o São Paulo passará a pensar exclusivamente no Santos, principal algoz nos últimos anos. Na quarta-feira, as equipes paulistas se enfrentarão pela Copa Sul-Americana - o São Paulo precisa vencer por dois gols de diferença, no Morumbi, para avançar à fase internacional do torneio. E, no próximo domingo, os times voltarão a duelar, só que pelo Campeonato Brasileiro, também no Morumbi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.