Para Lippi, Cannavaro é o melhor zagueiro da Copa do Mundo

A Itália terá um muro em Berlim. Fabio Cannavaro, seu capitão, completará 100 jogos com a camisa azzurra. E isso é uma ótima notícia para quem espera pelo quarto título italiano. Cannavaro tem sido há muito - e potencializou nesse Mundial essa espécie de vocação - o grande protetor da defesa italiana. Pode-se dizer que, para se chegar à Buffon, é necessário, antes, passar por cima do cadáver de Cannavaro. É o que diz, com outras palavras, o treinador Marcelo Lippi. ?O rendimento de Cannavaro nesse Mundial mostra que ele é o melhor zagueiro do mundo, sem dúvida. Eu fico muito contente que ele vá completar o seu centésimo jogo em uma final de Copa. Ele merece.? Cannavaro confessa que está vivendo um sonho acalentado desde há muito tempo. E vibra com a possibilidade de um título que viu, muito de perto, escapar em 1990, quando a Copa foi na Itália. Ele tinha 16 anos e era jogador das equipes de base do Napoli. ?Trabalhei como gandula na partida entre Itália e Argentina, quando fomos derrotados. Foi muito triste, mas não diminuiu o sonho que tinha de chegar à Seleção. Agora, sou capitão e posso completar 100 jogos. É muito bom.? O momento também é de vingança. ?Não posso negar que os jogadores estão com um pouco de raiva com o que aconteceu no último Mundial e também na Eurocopa, em Portugal. Por isso, também, estamos jogando com todo o coração.? Ele se refere à partida contra a Coréia, nas oitavas-de-final de 2002, quando o árbitro equatoriano Byron Moreno prejudicou aos italianos. E também ao empate entre Dinamarca e Suécia, por 2 a 2, na Eurocopa. Era o único resultado que classificaria os dois time e ainda eliminaria os italianos. Agora, a final. ?Chegamos e é só nisso que estamos pensando. Temos boas possibilidades de conquistar o Mundial e vamos jogar com muita atenção, como tem sido até agora.? E essa Itália mudou mesmo? Acabou aquela conhecida pelo cattenaccio (dura retranca de outros tempos) e vai atacar seu rival com a mesma volúpia vista na prorrogação contra os alemães, quando tinha três atacantes e um meia em campo? Cannavaro ri. ?O cattenaccio é coisa dos anos 30. Faz tempo que a Itália ataca com pelo menos dois atacantes. E o importante é que eles ajudam o time. Se sacrificam por todos.? Pode ser, mas a verdade está mais perto da constatação de que Lippi só atacou tanto por confiar em seu capitão. Fabio Cannavaro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.