Para Luxemburgo, Palmeiras está com olhar de campeão

Treinador lembra que time passou por fase ruim no Paulistão e vem numa boa reação

Juliano Costa, Jornal da Tarde

06 de abril de 2008 | 20h41

Quando o Palmeiras perdeu para o Guaratinguetá por 3 a 0, há exatamente dois meses, Vanderlei Luxemburgo apareceu sorrindo no vestiário, dizendo ter certeza de que o time estava no caminho certo e que chegaria às semifinais, em condições de disputar o título. "Muita gente duvidou", ele disse após a vitória por 3 a 0 sobre o Barueri. "Mas chegamos." Luxa lembrou aquela época de dificuldade, parabenizou seus jogadores e afirmou: "Vejo no olhar de cada um aqui a vontade de ser campeão."   Veja também: Palmeiras bate o Barueri por 3 a 0, mas fica em segundo lugar   É com essa empolgação que o Palmeiras vai pra cima do arqui-rival São Paulo. O time tem o melhor ataque da competição (36 gols), a terceira melhor defesa (16) e um elenco que dá muitas opções de jogo a Luxemburgo.   Já o rival vem aos trancos e barrancos, preocupado em contornar os problemas disciplinares de seus jogadores e voltar a ter um time coeso, como o das últimas três temporadas. O favoritismo parece mesmo ser todo do Palmeiras - que ainda terá a vantagem de jogar por dois resultados iguais. Mas Luxemburgo não enxerga dessa maneira.   O técnico prega que não há favorito em clássico e afirma que o placar de 4 a 1 da primeira fase foi "enganoso." Ele argumenta que o São Paulo poderia ter ganho aquele jogo em Ribeirão Preto, se Adriano não perdesse uma chance clara quando o jogo estava 1 a 1.   REFORÇOSAntes de se reencontrar com o São Paulo, o time palmeirense ficará treinando em Atibaia, a 60km da capital paulista. A preparação começa amanhã e vai até sábado.   Luxemburgo terá três reforços que não jogaram ontem: Valdivia, Kléber e Pierre. Os dois primeiros estavam suspensos. Já o volante não jogou justamente para não tomar o terceiro cartão amarelo e ficar fora da semifinal.   SÃO MARCOSO goleiro era um dos jogadores mais felizes no vestiário palmeirense, após a vitória sobre o Barueri. Quando o jogo estava 1 a 0, ele defendeu um pênalti, o primeiro desde que voltou a jogar após 11 meses parado por causa de duas fraturas consecutivas no braço esquerdo. "Foi um momento importante, já tinha passado perto de pegar dois pênaltis, um contra o Guarani e outro contra o São Caetano. Fiquei muito feliz com a defesa", disse Marcão. "Para um goleiro, é como marcar um gol."   O camisa 12 não esqueceu o período ausente devido às lesões. "Fiquei muito feliz (com a defesa) ainda mais por causa de todos momentos ruins que passei."   Contou ainda que tem treinado bastante para não se adiantar nas cobranças de pênalti. "O árbitro me falou para não adiantar. Fiquei com o pé esquerdo na linha e depois saí. Estou treinando para não ter esse avanço antes da batida, porque os árbitros estão mandando voltar."   Dizendo ter recuperado "a empolgação de um garoto", Marcos, de 34 anos, afirma que vê no time palmeirense totais condições de encerrar agora um jejum de quase nove anos sem títulos importantes. Alguém discorda?

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasPaulistão A-1São Paulo FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.