Para Luxemburgo, Santos jogou como líder

O técnico Vanderlei Luxemburgo disse que os jogadores responderam à cobrança feita por ele na sexta-feira, quando exigiu uma vitória no jogo deste sábado para que a equipe não perdesse o respeito dos adversários na competição e pudesse continuar com chances de conquistar o campeonato. "Cobrei aquilo que os jogadores podem dar. Depois do jogo com o Flamengo, percebi que a equipe estava perdendo o respeito dos adversários", afirmou o técnico. Segundo ele, o Santos precisa jogar como líder, se quiser ganhar o campeonato. Luxemburgo disse que houve necessidade da bronca para mexer com o sentimento dos jogadores, mas negou ter dado "um puxão de orelha" neles. "Falei apenas como profissional, disse a eles que se quisessem ser campeões, teriam de mostrar isso dentro de campo, sem deixar escapar a vitória". O técnico elogiou o gramado, disse que a excelente atuação do Santos só foi possível graças à qualidade do gramado e que pretende jogar novamente em São José do Rio Preto. O lateral Leo atribuiu a vitória à bronca dada pelo técnico na preleção de sexta-feira. "Esta vitória se deve a duas coisas: ao comportamento do time e à garganta do Vanderlei, que deu uma bronca em todo mundo e o grupo produziu taticamente e esteve aplicado como ele queria". Para o atacante Robinho, o Santos atuou como uma equipe "que quer ser campeã". E completou: "Estou feliz pelos gols, mas isso só me faz continuar esforçando mais para ganhar o campeonato". Robinho disse que nem ele nem seu pai assinaram qualquer documento com representantes do Benfica, mas admitiu que o clube português fez uma proposta ao Santos. Depois, disse que não gostaria de falar mais sobre o assunto para se concentrar na disputa do Campeonato Brasileiro. "É claro que todo jogador sonha em jogar na Europa, mas agora não é o momento para eu pensar nisso. O que eu quero é ser campeão braileiro". Para Zé Elias, o Santos teve uma boa apresentação devido à qualidade técnica do time. "Time que tem Robinho, Deivid e Ricardinho só pode jogar bem", disse. Sobre seu desempenho - ele deu dois passes que originaram dois gols - Zé Elias disse que apenas conseguiu fazer seu papel. "Quando você está jogando no exterior e volta para o Brasil, a adaptação não é fácil. É preciso de algum tempo e ter muita responsabilidade. Agora acho que estou me entrosando mais". No time do Fluminense, ninguém conseguia explicar a goleada em Rio Preto. "Não entendo o que aconteceu, jogamos muito bem no Rio e aqui aconteceu isso. Não dá para entender", disse o goleiro Fernando Henrique. Para o meia Diego, nem o forte calor pode justificar a derrota. "Lá no Rio, estamos acostumados a jogar sob sol forte e isso não serve de desculpa. Não dá para saber o que aconteceu".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.