Marcelo Endelli / AP
Marcelo Endelli / AP

Palmeiras revê 'carrasco argentino' para manter 100% na Libertadores

Time de Abel Ferreira enfrenta o Defensa y Justicia, seu algoz na Recopa Sul-Americana

Redação, O Estado de S. Paulo

04 de maio de 2021 | 05h00

O Defensa y Justicia, adversário desta terça-feira do Palmeiras na terceira rodada da fase de grupos da Libertadores, traz pelo menos duas lembranças ao torcedor palmeirense. A primeira é a disputa da Recopa Sul-Americana, em abril, quando os argentinos venceram nos pênaltis. A segunda são as pichações dos muros do Allianz Parque por causa de uma sequência de resultados ruins, diante do Flamengo (final da Supercopa do Brasil), do próprio Defensa e do São Paulo (Paulistão).

Com esse histórico recente, o Palmeiras reencontra seu algoz argentino fora de casa. A partida das 21h30 não chega a ser propriamente uma revanche, ainda é a fase de classificação, mas não pode ser tirada deste contexto. Os argentinos não trazem boas recordações.

Depois de quase um mês daquela final, o Palmeiras lidera o Grupo A com 100% de aproveitamento. Criticado por parte da torcida por utilizar um time praticamente sub-20 no Paulistão, o técnico Abel Ferreira deu a resposta certeira na última rodada com uma atuação impecável na Libertadores: amassou o Independiente del Valle por 5 a 0 no Allianz Parque. A tendência é de que o português mantenha a formação com três zagueiros e coloque em campo o que tem de melhor no elenco que foi campeão do Paulista, da Copa do Brasil e da Libertadores na temporada passada. A formação ainda carece de treinamentos, mas o treinador já indicou que pretende adotá-la ao longo da temporada.

O principal motivo da mudança de Abel é a flexibilidade. Se o Palmeiras marca no campo de ataque, os alas podem avançar. Se fica encolhido para explorar contra-ataques, um dos zagueiros pode ir ao meio de campo sem desproteger o time. O time se ajusta conforme o momento do jogo.

Antes da vitória sobre o Del Valle, Abel chegou a ser citado em uma pichação de protesto de torcedores palmeirenses. Depois da goleada, o treinador afirmou que vai mudar o lema do time para 2021. “Este ano vou inverter o lema. Ano passado eu disse que todos somos um. Este ano vai me faltar o lema, tem que ser contra todos. Este ano, contra tudo e contra todos. Vamos procurar fazer nosso trabalho, contra tudo e contra todos. Vai ser o lema deste ano”, afirmou o treinador.

O time argentino, vice-líder, com quatro pontos conquistados, terá uma escalação improvisada. Devido a um surto de covid-19 no elenco, o time comandado por Sebastian Beccacece não vai contar com 15 atletas, seis deles titulares na final da Recopa. Além disso, sete membros da comissão técnica também contraíram o novo coronavírus.

Esse cenário projeta um confronto bem diferente da final da Recopa. Depois de terem sido poupados na última rodada do Campeonato Paulista, na vitória sobre o Santo André, o time deve apostar na boa fase de Raphael Veiga e na velocidade de Rony, autor de dois gols na vitória sobre o time equatoriano. Na última rodada, o volante Patrick de Paula foi o representante do Palmeiras na seleção da rodada promovida pela Conmebol.

FICHA TÉCNICA

DEFENSA Y JUSTICIA - Unsain; Matías Rodríguez, Breitenbruch, Juan Rodríguez, Britez e Gallardo; Tripichio e Loaiza; Rius, Bou e Hachen. Técnico: Sebastián Beccacece.

PALMEIRAS - Weverton, Luan, Gustavo Gómez e Renan; Marcos Rocha, Danilo, Patrick de Paula, Raphael Veiga e Victor Luis; Rony e Luiz Adriano. Técnico: Abel Ferreira

ÁRBITRO - Wilmar Roldan-COL.

HORÁRIO - 21h30.

TRANSMISSÃO - SBT (SP e parte da rede) e Fox Sports.

LOCAL - Norberto Tomaghello, em Buenos Aires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.