Cesar Grecco|Palmeiras
Cesar Grecco|Palmeiras

Para mostrar união, jogadores do Palmeiras dão entrevista em conjunto

Técnico, jogadores e diretoria se reuniram na entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2017 | 17h14

Os jogadores do Palmeiras, o técnico Alberto Valentim e membros da diretoria compareceram em conjunto para dar entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira na Academia de Futebol. O treinador explicou que a iniciativa foi dele próprio após a derrota para o Vitória, no Barradão, na quarta-feira, e foi mantida em sigilo. Os jogadores explicaram que a atitude mostra a união do grupo também nos momentos difíceis (o time vem de duas derrotas seguidas).

+ Torcida pressiona por escalação de Felipe Melo diante do Flamengo

+ Podcast Palmeiras: Delegação desembarca escoltada por seguranças e Egídio xinga torcedor solitário no aeroporto, em São Paulo

O único ausente foi o lateral Egídio, que foi liberado para resolver problemas particulares em Belo Horizonte e não vai participar da partida de domingo, com o Flamengo.

“Em Salvador, depois do jogo, eu no meu quarto, naquele pós-jogo de madrugada que acontece quando a equipe não vence. Eu tive a ideia de trazer todos aqui e conversei com o presidente para que eles me dessem essa oportunidade de mostrar que estamos unidos, juntos para esses cinco jogos que restam no campeonato, para o objetivo principal que é o G-4”, afirmou Valentim no início da entrevista coletiva.

“Vamos lutar dentro desses cinco jogos. Aqui estão presentes os jogadores, eu representando a comissão técnica e o Cícero, a diretoria. Muita gente que dá o apoio não cabe, se não traríamos todos. Tem um elemento muito importante que não está aqui hoje, é o nosso torcedor, elemento fundamental para esses cinco jogos. Vamos precisar muito deles”, disse Valentim.

Prass explicou que todos são responsáveis pelo momento do clube. “O objetivo principal de estar todo mundo aqui é mostrar, não personificar em ninguém a culpa pela derrota ou a vitória. É mostrar que está todo mundo aqui, ninguém foge da responsabilidade”, disse o goleiro.

O meia Moisés também explicou a união do grupo na sala de entrevista coletiva. "O motivo de estarmos juntos é porque nos momentos bons sempre falamos que tínhamos uma família. Esse momento passamos por dificuldade, queremos provar que não vamos deixar que se bata em um jogador ou outro. É um grupo nas horas boas, que fica mais unido nas difíceis”, disse o meia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.