Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Para Nunes, Corinthians é azarão; Andrés provoca: 'Ver quem é quem no mata-mata'

Equipe enfrentará Bragantino nas quartas sem o atacante Boselli, que sofreu fratura no rosto

Redação, Estadão Conteúdo

26 de julho de 2020 | 20h46

Após correr o risco de ser eliminado na fase de classificação do Campeonato Paulista, o Corinthians assegurou uma vaga nas quartas de final com uma vitória por 2 a 0 sobre o Oeste, neste domingo, em Barueri (SP). Para o técnico Tiago Nunes, o time chegará como um azarão contra o Red Bull Bragantino, dono da melhor campanha da competição. Já o presidente do clube, Andrés Sanchez, exaltou a tradição corintiana e até provocou os rivais.

"Desacreditaram, mas chegamos. Agora é descansar, trabalhar duro e ver quem é quem no mata-mata", publicou o dirigente no Twitter.

Em entrevista coletiva após a partida, Tiago Nunes havia adotado um discurso mais humilde ao afirmar que o clube da capital corre por fora nesta edição do Estadual. "O Corinthians é uma equipe tradicional, forte, que deve ser respeitada. Mas em nenhum momento fomos colocados como postulantes ao título. A gente entra nas quartas como entramos nesse momento, como uma das equipes que se classificou por último. O favoritismo é do nosso adversário. Vamos como franco atiradores", declarou.

Para este confronto, o Corinthians não contará com o atacante Mauro Boselli. O argentino saiu de campo com uma lesão no rosto e precisará ser submetido a uma cirurgia nesta segunda-feira.

"Infelizmente tivemos dois jogadores lesionados (Boselli e Everaldo), o que acabou dificultando nossa estrutura de jogo. Ao mesmo tempo, estamos satisfeitos com o rendimento e entrega dos jogadores. Valorizar as duas vitórias seguidas sem sofrer gols, chegando nessa classificação", completou Nunes, lembrando a vitória de 1 a 0 no clássico contra o Palmeiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.