Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Para oposição, Blatter distribui dinheiro para ser reeleito na Fifa

Dirigente é acusado por seus opositores de usar recursos da entidade para 'distribuir bondades' aos cartolas que podem votar

JAMIL CHADE, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2015 | 07h25

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, é acusado por seus opositores de usar recursos da entidade para "distribuir bondades" aos cartolas que, em maio, vão votar para escolher o novo presidente da Fifa. Um dia depois de a entidade anunciar a lista oficial dos candidatos para a eleição, Blatter enviou uma carta aos presidentes de todas as 209 federações para anunciar que estava oferecendo US$ 300 mil a cada um deles, usando um total de US$ 62 milhões dos caixas da entidade.

São justamente os presidentes das 209 federações que escolherão o novo comando da Fifa em três meses. Além de Blatter, concorrem ao cargo o príncipe da Jordânia, Ali Bin Al Hussein, o ex-jogador Luís Figo e o cartola holandês Michael van Praag.

A carta, obtida com exclusividade pela reportagem, é assinada pelo braço direito de Blatter, o francês Jérôme Valcke, e foi enviada no dia 30 de janeiro, um dia depois do registro oficial dos candidatos. Segundo o documento, a gerência da Fifa indicava que todas as federações que estivessem interessadas em ganhar esse bônus de US$ 300 mil deveriam se apresentar.

Se para grandes federações como a da Alemanha, Inglaterra e mesmo a CBF o valor é baixo, o dinheiro pode representar até 20% do orçamento de dezenas de federações nacionais para o ano de 2015. Das 209 federações, cerca de 100 delas contam com recursos que não ultrapassam a marca de US$ 2 milhões por ano. O cheque de Blatter, portanto, faz diferença.

Oficialmente, o dinheiro deveria ser usado para ajudar as federações a enviar suas equipes para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. A Fifa também autoriza as federações a usar o dinheiro para competições como a Sub-17, Sub-20, Futsal e até para os torneios de Beach Soccer em 2015 e 2016.

Em um esforço de evitar que o dinheiro vá direito aos bolsos dos cartolas, a Fifa foi obrigada a alertar na carta que os recursos seriam enviados para as contas das federações e seriam examinados. "Qualquer mudança no uso dos fundos precisa ser realizado em um acordo com a Fifa", indicou Valcke, no documento.

OPOSIÇÃO

A carta deixou a oposição enfurecida, principalmente entre os apoiadores dos candidatos da Uefa. "Não é dessa forma que se faz uma campanha", alertou um dirigente da entidade continental da Europa. No total, a Fifa vai usar US$ 62 milhões de seus recursos apenas para esse pacote de bondades. Blatter conta principalmente com votos do Caribe, América Central, África e Oceania para vencer as eleições de maio. Se eleito, o suíço iniciará seu quinto mandato.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterfutebolFifaJoseph Blatter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.