Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Para Pedrinho, primeiro gol foi decisivo

Até ontem Pedrinho não sabia o que era vencer o Corinthians. Mas sabia muito bem que um clássico como esse é capaz de reservar surpresas, para ambos os lados. Só não esperava por um adversário tão desequilibrado. Antes mesmo do primeiro gol ele já havia percebido que a vitória seria uma questão de tempo. "Eles estavam muito nervosos, brigavam entre si".Outra certeza: Pedrinho sabia que quem fizesse o primeiro gol venceria o clássico. A situação era dramática para as duas equipes. "O primeiro gol foi fundamental; o segundo, baqueou o time deles. Não é porque foi meu. Mas aí o Corinthians teve que se expor. Teve de sair para o ataque, sem as devidas precauções defensivas. Aí o jogo ficou bom para a gente. O Palmeiras é um time que sabe explorar os espaços. Usa bem a velocidade".Apesar do sentimento de alívio após a goleada histórica, Pedrinho não está totalmente satisfeito. Por ser um dos jogadores que estavam na desastrosa campanha do rebaixamento no Brasileiro de 2002, ele se sente na obrigação de dar uma recompensa à torcida pelo sofrimento do ano passado. Não chegou ao exagero de prometer o título, mas não descarta a hipótese de, em breve, o time brigar pelas primeiras posições na competição. "Se você for analisar o nosso time titular no papel, não fica devendo nada a ninguém. O que precisava era resgatar a confiança da equipe. E isso a gente só conseguiria com uma seqüência de bons resultados. Felizmente, o primeiro veio hoje. Agora o time tem tudo para embalar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.