Paulo Giandalia/Estadão
Paulo Giandalia/Estadão

Para presidente, Palmeiras só pode comemorar se subir

Paulo Nobre vai aguardar acesso do Palmeiras para Série A para iniciar comemorações do centenário do clube

AE, Agência Estado

26 de agosto de 2013 | 16h09

SÃO PAULO - O Palmeiras inicia nesta segunda-feira o seu 100º ano de vida. Diferente do que fizeram Santos e Corinthians, o clube alviverde resolveu adiar o início da comemoração do centenário. Neste 26 de agosto, celebra-se apenas os 99 anos. A festa de verdade só vai começar quando o clube sair da Série B, segundo explica o presidente Paulo Nobre.

"Só poderemos comemorar depois de cumprir nossa obrigação, que é voltar para o lugar de onde nunca deveríamos ter saído, a Série A", disse o dirigente, em entrevista ao site oficial do Palmeiras.

Com o acesso à primeira divisão do Brasileiro encaminhado (a equipe lidera a Série B e tem 11 pontos de folga dentro do G4), Nobre revela planos para a comemoração dos 100 anos de história do Palmeiras.

"Nós programamos uma série de ações e eventos que se iniciam nesta segunda e se estenderão durante todo o centenário e que serão divulgados gradativamente. Desde mudanças substanciais no Avanti (programa de sócio-torcedor) até camisas especiais comemorativas, produtos alusivos à data, campanhas nas mais diferentes mídias, ações envolvendo torcedores, ídolos atuais e do passado, e alguns outros movimentos que serão conhecidos no momento certo", explicou o presidente alviverde.

Ele também explicou o slogan "Meu orgulho, minha vida", usado na comemoração dos 99 anos. "O Palmeiras tem uma característica muito peculiar, que é o seu orgulho de torcer por esse time. Só há uma emoção maior do que ser campeão, é a emoção de ser palmeirense. É algo muito presente, muito forte. Por isso estamos trabalhando esse sentimento. Será o nosso mote por todo o centenário."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.