Para Vadão, Ponte precisa de tempo

Para o técnico da Ponte Preta, Oswaldo Alvarez, o Vadão, o seu time só vai mostrar um futebol de qualidade dentro de quatro ou cinco rodadas no Campeonato Brasileiro. Na estréia diante do Juventude, domingo, em Caxias, a Ponte atuará com três volantes ficando bem descaracterizada em relação ao perfil de seu técnico. Para Vadão, atuar na defesa e na esperança de explorar os contra-ataques foi a alternativa que sobrou. Ele reconhece que assumiu um risco em optar pela marcação. "Se tomarmos um gol seremos obrigados a mudar o estilo de jogo. Mas para o início de competição e pelas circunstâncias, é a melhor opção", ratificou. O elenco realizou um coletivo nesta sexta-feira à tarde no próprio gramado do estádio Moisés Lucarelli. E o time já está escalado, com várias estréias confirmadas. Uma delas é do goleiro Hiran, ex-Internacional-RS. Ainda na defesa o time terá a estréia do lateral Daniel, ex-Palmeiras, e do zagueiro Marinho, ex-Grêmio e que estava no Beksitas da Turquia. No meio-de-campo, a novidade será Alex Oliveira, ex-Vasco da Gama, enquanto no ataque a principal atração é Basílio, ex-Palmeiras, campeão paulista pelo Ituano. Os principais desfalques são o zagueiro Alex e o meia Piá, contundidos e fora dos próximos jogos.

Agencia Estado,

09 Agosto 2002 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.