Abedin Taherkenareh/EFE
Abedin Taherkenareh/EFE

Parabenizado por Putin, técnico da Rússia contém euforia após goleada em estreia

Stanislav Cherchesov demonstra bom humor, mas mantém pés no chão: "Estamos aqui para fazer o nosso trabalho"

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

14 Junho 2018 | 15h26

Com semblante tranquilo, relaxado e até arriscando algumas brincadeiras com os jornalistas, como na véspera da estreia, o técnico da Rússia, Stanislav Cherchesov, afirmou depois da vitória sobre a Arábia Saudita por 5 a 0, no estádio Luzhniki, em Moscou, que seu time sabia muito bem o que estava fazendo em campo. "Trabalhamos para estar aqui. Mas a Copa do Mundo está apenas começando. Já estamos concentrados na nossa partida contra o Egito", afirmou o treinador, que, antes de ir para as entrevistas coletivas, recebeu uma ligação do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

+ Putin prega 'paz e entendimento mútuo' na abertura da Copa do Mundo

+ Tite define escalação da estreia do Brasil na Copa do Mundo da Rússia

+ Ativista gay é preso por manifestação contra Putin antes do jogo inicial da Copa

"Era o chefe de Estado no celular. Ele me ligou para me dar os parabéns e também pediu para que eu repassasse isso para todos os jogadores do time. Apenas disse que estamos aqui para fazer o nosso trabalho", afirmou o treinador.

Cherchesov foi questionado sobre como segurar a empolgação com a goleada na estreia. "Olha, como eu já disse, a Copa está apenas começando. Nós ganhamos de 5 a 0, mas poderíamos ter empatado em 1 a 1 e estaria a mesma coisa aqui. É um torneio e temos que somar pontos", afirmou o treinador.

O técnico recebeu elogios de muitos jornalistas, boa parte deles de ex-países da extinta União Soviética, que aproveitavam o começo de suas perguntas para rasgar elogios ao seu trabalho. Em uma dessas perguntas, ele explicou a entrada do meio-camista Denis Cheryshev, que foi a campo no lugar de Dzagoev, que sentiu uma lesão na coxa esquerda ainda no primeiro tempo. De acordo com o treinador, Cheryshev entrou porque estava preparado.

 

"Conversei com ele ontem (quarta-feira). Falei sobre a possibilidade de termos que usá-lo nesse jogo. Não há nada demais. Eu o coloquei, como poderia ter colocado qualquer um dos 23 que estão aqui no grupo", afirmou o técnico. "Nos próximos dias, o mundo todo vai falar que jogamos bem. Eu sei. O que eu posso falar? Jogamos bem sim. Mas já foi. Agora o campeonato continua para nós. Não há relaxamento, precisamos manter a concentração alta."

Cheryshev nasceu na Rússia, mas formou-se como jogador profissional na Espanha porque seu pai, Dimitri Cheryshev, fez carreira jogando no país. Hoje, o jogador que marcou dois belos gols na estreia russa, em Moscou, atua no Villarreal.

No final da entrevista, o treinador elogiou muito o trabalho do técnico argentino Héctor Cúper, comandante do Egito, próximo adversário da equipe em jogo marcado para o dia 19. "É um excelente treinador. Sou um grande admirador do trabalho dele. Ainda não sabemos se Mohamed Salah vai jogar, mas estudados todos os nossos adversários e estamos preparados para qualquer jogo", disse.

"As próximas partidas serão em estádios diferentes, em cidades diferentes. Demos um primeiro passo, claro, mas é preciso manter a calma. Repito. Foi apenas o primeiro jogo da Copa. Antes éramos criticados e eu sei que nós merecíamos isso. Mas estou feliz, jogamos bem", finalizou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.