Epitácio Pessoa/Estadão - 01/11/2012
Epitácio Pessoa/Estadão - 01/11/2012

Parada do Campeonato Brasileiro costuma prejudicar o Corinthians

Rendimento do time em 2006 e 2010 não aumentou depois da interrupção do torneio

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

13 de junho de 2013 | 16h53

SÃO PAULO - O técnico Tite, do Corinthians, não via a hora do Brasileirão ter a parada durante a Copa das Confederações para dar descanso aos jogadores e arrumar o time. Porém na última vez em que o calendário foi interrompido o resultado não foi tão positivo assim para a equipe.

Em 2010, ano de realização da última Copa do Mundo, foi um grande exemplo disso. A equipe liderada pelo atacante Ronaldo acumulou cinco vitórias e dois empates nas sete primeiras rodadas antes do Mundial da África do Sul começar, um aproveitamento de 81%. No reinício do Brasileirão, porém, o time tropeçou. Empatou sem gols com o Ceará e dois jogos depois perdeu a invencibilidade ao cair diante do Atlético-GO por 3 a 1. Nas sete rodadas pós-Copa o clube do Parque São Jorge teve aproveitamento de 52%.

Quatro anos antes, em 2006, pela primeira vez o Brasileirão na era dos pontos corridos foi paralisado. Nas dez partidas disputadas até a Copa da Alemanha começar o Corinthians tinha somado nove pontos, com três vitórias e sete derrotas. A campanha ruim, com aproveitamento de 30%, pouco melhorou depois do Mundial, quando o rendimento foi de 36%. Nas rodadas após a Copa, o time manteve o número de partidas vencidas, três, empatou duas e perdeu cinco.

Neste Brasileirão o Corinthians ainda não empolgou. Nas cinco primeiras rodadas foram conquistados apenas seis pontos (uma vitórias, três empates e uma derrota), o que corresponde a um aproveitamento de 40%. Desde o último sábado o elenco está de folga e deve se reapresentar no Centro de Treinamentos Joaquim Grava apenas na próxima segunda-feira para iniciar os trabalhos de preparação para a sequência da temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.