Paraná goleia o Vitória e respira

Paraná Clube goleou o Vitória por 4 a 1, nesta quarta-feira à noite, no Estádio do Pinheirão, em Curitiba, e conseguiu afastar, pelo menos momentaneamente, a crise que se abateu no clube na terça-feira, quando o técnico Gilson Kleina chegou a interromper um treino e ameaçou deixar o cargo. A diretoria havia dispensado quatro jogadores, mas o parceiro e dono dos direitos federativos dos atletas, Sérgio Malucelli, presidente do Iraty, estava exigindo a reintegração. Foi derrotado.Com a vitória, o time paranaense soma 23 pontos, mas permanece entre os últimos colocados, precisando de novos resultados positivos para o retorno da confiança do torcedor que nesta quarta compareceu em pequeno número (1.130 no total - 661 pagantes). A demonstração de apoio dos jogadores ao técnico foi demonstrada na comemoração dos gols, quando quase todos foram abraçá-lo. Bastante desfalcado, o Vitória não teve forças nem para esboçar uma reação e continua com seus 29 pontos, colocando pressão sobre o técnico Oswaldo de Oliveira.Desde o início o Paraná foi melhor que o Vitória. Com uma defesa frágil, um meio-de-campo preocupado em fazer faltas e um ataque inoperante não se podia esperar muito do time baiano. Aos 21 minutos, Galvão recebeu um bom lançamento, arrancou em velocidade e tocou para as redes de Juninho. O Paraná continuou na frente, mas foi na cobrança de uma falta, aos 42 minutos, que Cristian ampliou o placar.Com a vantagem o Paraná armou a arapuca no segundo tempo. Deu espaço para o Vitória, que se mandou desordenadamente ao ataque. Era o que o time da casa esperava. Nos contra-ataques foram sendo criadas as oportunidades de gol e eles começaram a sair. Galvão fez o terceiro aos 9 minutos e Maranhão o quarto aos 12, ambos aproveitando bons cruzamentos sobre a área. Depois o Paraná colocou o Vitória na roda, tocando a bola sem forçar muito o ataque. Aos 41 minutos, Galvão cabeceou e a bola tocou nas duas traves. No contra-ataque, Marcelo Silva aproveitou-se de uma bobeira do zagueiro Nelinho e diminuiu. No final, os dois goleiros se estranharam e houve alguns empurrões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.