Paraná vai aumentar preço de ingresso

Uma comissão formada pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, com a presença de representantes dos clubes de Curitiba e da Federação Paranaense de Futebol, decidiu proibir a venda de bebidas destiladas nos clássicos e jogos decisivos realizados na capital paranaense como forma de diminuir a violência. Entre as medidas também está previsto o aumento no preço dos ingressos nesses jogos, em índice ainda não definido.Para o secretário de Segurança Pública, José Tavares, os clubes entendem que o aumento no preço do ingresso vai "impedir o afluxo de pessoas inconvenientes" aos estádios. No valor já estaria embutido um seguro de vida, de acidentes pessoais e patrimoniais. Os ingressos serão vendidos somente até as 18 horas do dia anterior ao jogo, com a intensificação do combate a atuação de cambistas.A proibição de venda de destilados foi estendida também a um raio de 200 metros em volta do estádio. Apenas a cerveja foi liberada dentro dos estádios, mas proibida sua venda do lado de fora. Nos dias de jogos também haverá bafômetro para fazer o teste quando houver suspeita de embriaguez. Caso se confirme, a pessoa será impedida de entrar, mesmo que possua ingresso.A comissão também decidiu restringir a atuação das torcidas organizadas. A partir de agora, os clubes não poderão mais subsidiá-las nem ceder espaço para as sedes. As faixas, camisetas e bandeiras que possibilitem sua identificação também estão proibidas nos jogos. Nos campos de futebol, as pessoas poderão entrar somente com as camisas de seus clubes. A comissão deve pedir à Câmara Municipal a elaboração de uma lei para impedir que, nos dias de jogos, as pessoas circulem no transporte coletivo mesmo com as camisas dos clubes.A Polícia Militar programou reuniões durante esta semana com representantes das torcidas organizadas dos clubes de Curitiba. O objetivo é comunicar aos líderes que a polícia passará a identificar os responsáveis pelas violências. "Estamos dando uma chance a elas (torcidas), mas caso novos incidentes venham a ocorrer só nos restará uma alternativa mais drástica", disse Tavares.Nos dias de clássicos haverá delegacias móveis nos estádios para autuar os infratores. O trabalho ficará a cargo do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). O secretário disse que conversará com o Ministério Público e Poder Judiciário para que haja aplicação imediata de penas alternativas aos infratores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.