Paraná vence São Paulo por 4 a 2

O vice-presidente de Futebol do São Paulo, Juvenal Juvêncio, pode ganhar tempo e começar já a reformulação que prometeu para o final do Brasileiro, caso o São Paulo não tivesse um bom rendimento no campeonato. A derrota por 4 a 2 para o Paraná, nesta quarta-feira à noite, mostrou, para quem ainda não havia percebido, que o time é fraco mesmo. O São Paulo acabou com a ilusão de seus torcedores. O time, que chegou a ter várias oportunidades de assumir a liderança - e perdeu todas elas - está agora a nove pontos do líder. E se não conseguir deter a curva descendente - ganhou apenas dois pontos nos três últimos jogos - ficará difícil até a classificação para a Libertadores da América. E estará mais do que justificada a ?limpeza.? O Paraná dominou o jogo desde o início e só não marcou porque Rogério Ceni é um grande goleiro. Salvou o time aos 11 e 14 minutos, com saídas perfeitas nos pés de Marquinhos e aos 15 minutos, com Fernandinho. Gustavo Nery sentiu o músculo da coxa esquerda e saiu logo a 12 minutos, dando lugar a Gabriel, com Leonardo deslocando-se para a esquerda. E foi dali, aos 30 minutos, que Leonardo acertou, de antes do meio campo, um belo lançamento que achou Luís Fabiano, entre Ageu e Ávalos. Ele deu um corte com o pé direito e marcou, de esquerda, antes de a bola cair. Aos 34, na cobrança de uma falta, Marquinhos matou no peito e fez de pé esquerdo. Aos 40, o goleiro Darci fez um pênalti desnecessário, empurrando Kléber. Luís Fabiano marcou e assumiu a artilharia do campeonato. Luís Fabiano sentiu dores no músculo adutor da coxa direita. Foi substituído, no intervalo, por Rico. Estava demonstrada uma vez mais a pobreza do banco de reservas do São Paulo, que constantemente é formado por jogadores como Gallo, Thiago, Marco Antonio, Aílton, Márcio Luiz... O Paraná voltou mais compacto, marcando mais duro e como o São Paulo - com Ricardinho muito mal - não tinha saída de bola, passou a dominar o jogo. Aos 12 minutos, Renaldo entrou livre na área e sofreu pênalti. Cobrou e marcou. O São Paulo não tinha como reagir. Sem força no ataque e com a defesa vulnerável - Júlio Santos mostrou uma vez mais que não é um zagueiro confiável - era uma questão de tempo a virada. Ela começou aos 25 minutos, quando Reinaldo dividiu com Leonardo, caiu e conseguiu tocar para Renaldo marcar. E confirmou-se aos 34 minutos, quando Fernandinho recebeu livre na área e marcou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.