Parceiros de PSG, Neymar e Messi quebram trégua por rivalidade entre Brasil e Argentina

Parceiros de PSG, Neymar e Messi quebram trégua por rivalidade entre Brasil e Argentina

Com 100% de aproveitamento em sete jogos nas Eliminatórias, seleção de Tite espera devolver derrota da final da Copa América aos rivais

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2021 | 05h00

Juntos, ele já fizeram história no Barcelona da Espanha. Agora, novamente lado a lado, a expectativa é que essa parceria encante o mundo pelo Paris Saint-Germain. No entanto, o que vai estar em jogo neste domingo, às 16h, quando Brasil e Argentina pisarem no gramado da Neo Química Arena pelas Eliminatórias da Copa de 2022 vai ser o duelo particular que vai opor a genialidade de Messi diante do futebol refinado de Neymar.

No embate particular das duas estrelas valendo jogos entre Brasil e Argentina, a vantagem só veio pender para o lado dos hemanos no último confronto. Desde o primeiro encontro, em 2010, foram cinco partidas. Messi levou a melhor em três. Já a seleção brasileira, sob o comando de Neymar, venceu os outros dois jogos.

Agora, em seu território, e em compromisso válido pelas Eliminatórias, o craque revelado pelo Santos tem um objetivo em mente: voltar a empatar essa disputa e manter acesa essa rivalidade contra um meia-atacante que, por seis vezes, já foi consagrado o melhor futebolista do planeta.

O encontro mais recente envolvendo Neymar contra Messi, não traz boas recordações  aos torcedores brasileiros. Mesmo com um cenário  favorável, onde a seleção brasileira fez a final da Copa América no Maracanã, foram os hemanos que riram por último ao vencer a decisão por 1 a 0. Se para Messi veio a alegria de conquistar o seu primeiro grande título com a seleção principal, restou a Neymar o choro. Não só pela perda do troféu, mas também por permitir a festa do maior rival no seu próprio quintal.

Para Neymar, o sabor de revanche aumenta na mesma proporção que o tempo distancia a data da última vitória sobre Lionel. A última vez que ele superou a Argentina com Messi em campo foi em 2016. Como agora, o  jogo valeu pelas Eliminatórias (Copa do Russia). Naquela oportunidade, em pleno Mineirão, o Brasil cravou um 3 a 0 com direito, inclusive, a gol do menino Ney.

Agora, num jogo em que o clima de revanche para os brasileiros está aflorado, a rivalidade entre Neymar e Messi é um tempero mais do que saboroso para dar ainda mais brilho ao maior clássico da América do Sul.

Para o jogo diante dos argentinos, o técnico Tite vai ter uma baixa na defesa. Suspenso, o zagueiro Marquinhos está fora da partida. A ausência do atleta fez com que o treinador convocasse Léo Ortiz do Bragantino. Na lista de convocados, o treinador conta ainda com Miranda e Lucas Veríssimo para ocupar o posto.

Autor do gol da vitória sobre o Chile em Santiago, Éverton Ribeiro elogiou a performance da equipe. Segundo o meia do Flamengo, o resultado fortalece o time para enfrentar os argentinos. “Conseguir essas sete vitórias é um marco e que venha a oitava para gente buscar mais vitórias pela frente”, falou o armador.

Sobre o confronto, Everton falou que o time está acertado e que a comissão técnica tem feito um excelente trabalho até aqui. “O Tite vai ver o que é melhor para a equipe. Temos ótimos jogadores e um elenco muito grande. Quem entra tem dado conta. Está todo mundo ciente da responsabilidade e vamos nos preparar mais ainda  para fazer um grande jogo em casa”, completou o jogador.

Um dos novatos do grupo, o volante Gerson ficou animado com o espírito que encontrou na seleção. E diante da Argentina, ele afirmou que essa filosofia precisa ser mantida.

“Fica sempre mais fácil poder jogar e competir quando se tem garra. No futebol, nem sempre conseguimos ganhar só com qualidade. É importante estar focado para conseguir bons resultados”, completou o volante que atualmente defende o Olympique de Marselha, na França.

Pelo lado argentino, o técnico Lionel Scaloni valorizou o triunfo diante da Venezuela, principalmente pelo fato de não perder o Brasil de vista. Neste domingo, num confronto direto, ele espera barrar o aproveitamento 100% dos brasileiros nas Eliminatórias.

A grande preocupação por parte do adversário é em recuperar Lionel Messi. Ele recebeu uma entrada dura de Adrian Martínez. Em tratamento logo após a partida, o jogador, no entanto, não deverá ser problema para a partida contra o Brasil. Paredes e Otamendi devem ser a novidade da seleção argentina contra o Brasil.

Confira os confrontos

17/11/2010 - Argentina 1 x 0 Brasil (Amistoso)

Em partida realizada no Catar, a seleção argentina venceu a brasileira com gol de Messi. Mano Menezes era o técnico à época, e Neymar era uma promessa de 18 anos que surgia no Santos.

09/06/2012 - Argentina 4 x 3 Brasil (Amistoso)

As seleções se enfrentaram nos Estados Unidos e Messi marcou um hat-trick contra o Brasil. Oscar, Hulk e Rômulo fizeram os gols brasileiros, em um jogo com três viradas de placar. O treinador ainda era Mano Menezes.

11/10/2014 - Brasil 2 x 0 Argentina (Amistoso)

Brasil e Argentina fizeram o Superclássico no Ninho do Pássaro, em Pequim, na China. Quem esperava que Neymar ou Messi decidissem o jogo se surpreendeu. Quem marcou duas vezes foi Diego Tardelli. Dunga era o treinador. Jefferson defendeu um pênalti do craque argentino.

11/11/2016 - Brasil 3 x 0 Argentina (Eliminatórias)

Em um confronto que tinha mais peso do que os anteriores, as seleções se enfrentaram no Mineirão. Diante de mais de 53 mil espectadores, o Brasil derrotou a Argentina com gols de Neymar, Paulinho e Coutinho.

10/07/2021 - Brasil 0 x 1 Argentina (Copa América)

Na final, no  Maracanã, Messi desempatou o duelo com Neymar. Com gol de Di María, a Argentina superou o Brasil por 1 a 0 e ficou com o título do torneio, na primeira grande conquista do craque argentino pela seleção.

FICHA TÉCNICA

BRASIL x ARGENTINA

BRASIL – Weverton; Danilo, Éder Militão, Miranda (Lucas Veríssimo) e Alex Sandro; Casemiro, Bruno Guimarães, Lucas Paquetá; Neymar, Vinicius Júnior e Gabigol. Técnico: Tite

ARGENTINA – Emiliano Martínez; Paredes, Cristian Romero, Otamendi e Acuña; De Paul, Rodríguez, Lo Celso e Di María; Messi e Lautaro Martínez. Técnico: Lionel Scaloni

ÁRBITRO –Jesus Valenzuela (Venezuela).

HORÁRIO – 16H.

LOCAL – Neo Química Arena, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.