Parceria diminui festa no Corinthians

Nem tudo é festa no Corinthians. Apesar de o time ainda viver o clima da conquista dos dois títulos, Torneio Rio-São Paulo e Copa do Brasil, a diretoria do Parque São Jorge continua travando uma batalha com a Hicks Muse no sentido de decidir a melhor forma para encerrar a parceira. Há três meses que a empresa norte-americana de fundos de pensão não passa para o Corinthians o dinheiro sobre o direito de imagem. Posteriormente, esse valor teria de ser repassado aos atletas. O clube já contratou um escritório de advogados para analisar a situação e mover uma ação contra a Hicks Muse. No sábado, o vice-presidente de Futebol do Corinthians, Antonio Roque Citadini, disse que o clube estava esperando a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) pagar R$ 1,2 milhão pelo título da Copa do Brasil para distribuir entre os jogadores. A HM, que deveria ajudar o Corinthians a bancar os prêmios dos atletas, não quis saber do assunto. ?Vai tudo para os jogadores. Eles merecem?, disse Citadini. Mesmo sem apoio da empresa, a diretoria promete três reforços para o segundo semestre: dois atacantes e um meia. O técnico Parreira é quem vai decidir pelos reforços. Para a segunda partida contra o Ituano, nesta quarta-feira, em São José dos Campos, pelo Superpaulistão, o meia Ricardinho poderá ser a principal novidade da equipe. Ele não jogou domingo, em Itu, na derrota por 2 a 0, porque estava com uma mialgia na coxa esquerda. O meia será submetido a testes no treino desta terça-feira pela manhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.