Parceria não empolga os corintianos

A chegada do presidente Alberto Dualib da Inglaterra, nesta quinta-feira, não foi tão apoteótica como ele esperava. A proposta de patrocínio do grupo de investimento MIS, que mistura dinheiro inglês com russo, é vista com muito receio pelos conselheiros do Corinthians.Dar o controle do futebol em todas as categorias por dez anos por um fundo gerenciado pelo iraniano Kia Joorabchian assusta os conselheiros corintianos. Tanto que desejam os nomes de todos os investidores do grupo por escrito."Pode parecer estranho um grupo de investimento querer colocar dinheiro em um mercado pobre como o brasileiro, mas tudo é sério?, afirmou Dualib que chegou na madrugada desta quinta-feira a São Paulo. "Mas não está nada certo, ao contrário do que as pessoas estão falando. Estou nas mãos dos conselheiros do Corinthians para fazer uma revolução no futebol brasileiro."O presidente do clube, que esperava só aplauso, teve péssimas notícias ao chegar. O medo da origem do dinheiro é tão grande que Dualib resolveu agir imediatamente. Marcou para as 15 horas desta sexta-feira uma reunião com os 40 conselheiros mais influentes no Parque São Jorge para mostrar a proposta.Os investimentos parecem irreais: US$ 45 milhões até o final do ano e mais US$ 200 mil mensais. Além da promessa de formação do time mais forte do Brasil.Na revenda de jogadores comprados pelo fundo, o Corinthians teria direito a 20%. E dos atletas formados pelo clube, 80% do lucro ficariam para o Corinthians. Nadson e Reinaldo, do Paris Saint-Germain, já são os nomes de reforços comentados.Como nada é de graça, o grupo quer o controle do futebol corintiano. A escolha de técnico e de dirigentes caberia aos investidores. E também, no futuro, o direito de transmissão das partidas."O grupo de investimento que represento tem US$ 1 bilhão. Resolveu investir pequena parte desse dinheiro no Corinthians. Como o futebol brasileiro está na merda, com os clubes endividados, estamos comprando na baixa. Quando valorizar iremos lucrar", diz Renato Duprat, intermediário na transação.Dualib viajou também para a Geórgia, que fez parte da União Soviética. E fechou um intercâmbio de jovens jogadores com o Corinthians.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.