Parceria provoca cisão no Corinthians

A parceria entre Corinthians e o grupo europeu administrado pelo iraniano Kia Joorabchian, que pode ser fechada na próxima semana, já deixa sua primeira marca no clube: a cisão entre os dirigentes. Cerca de 50 conselheiros compareceram nesta sexta-feira ao Parque São Jorge para ouvir do presidente, Alberto Dualib, explicações sobre a milionária proposta. A ausência sentida foi a do vice de Futebol Antonio Roque Citadini, contrário à união. Citadini, que é membro do Tribunal de Contas do Estado, gostaria de ter garantias sobre a origem dos investimentos, além de obter mais informações sobre o contrato. Ele teme que em caso de alguma irregularidade, sua carreira possa ficar comprometida. Pela proposta, o Corinthians receberia, imediatamente, US$ 35 milhões, quantia que seria dividida em US$ 15 milhões para quitar as dívidas do clube e US$ 20 milhões para investimentos e contratações. A construção do estádio não está prevista. E o primeiro reforço deverá ser o centroavante Alberto, que jogou no Santos e está no Dínamo de Moscou. O parceiro ganharia dinheiro com a transferência de jogadores. Em caso de venda de algum atleta contratado, o clube ficaria com 20% do valor. O grupo ficaria com 80%. Para os jogadores formados no clube, a proporção se inverteria. GRÊMIO - O Corinthians enfrenta o Grêmio neste sábado à tarde e o técnico Tite deve escalar Jô no ataque, desde o inicio da partida. Como Gil ainda não se recuperou da lesão muscular que o impediu de enfrentar o Paysandu quarta-feira (os paraenses venceram por 2 a 1), e contando ainda com a baixa de Alessandro, contundido (deve entre 3 e 4 semanas em recuperação), o treinador, enfim, resolveu escalar o garoto. Ele fará companhia a Marcelo Ramos no ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.