'Parecia que Alemanha jogava contra uma equipe de crianças'

Seleção, segundo o Kaiser, não tinha um time na Copa do Mundo e diz que a base do sucesso da Alemanha foi copiada da França

Entrevista com

Franz Beckenbauer

Jamil Chade , O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2014 | 05h00

O Brasil não tinha uma equipe na Copa do Mundo. O que o Brasil tinha em campo eram alguns astros isolados e, num Mundial, isso não é suficiente. A avaliação é do alemão Franz Beckenbauer, campeão do mundo como jogador e como treinador. Em entrevista exclusiva ao Estado um mês depois do tetracampeonato do time alemão, o "Kaiser" explica os motivos do sucesso da seleção alemã e faz alertas ao Brasil. Eis os principais trechos da entrevista, concedida no vilarejo de Ulrichen na Suíça.

Um mês depois do choque dos 7 x 1 contra o Brasil como o senhor explica aquela goleada?

Foi um dia muito trágico. Aquilo jamais voltará a acontecer numa semifinal de Copa do Mundo. Parecia que a Alemanha estava jogando contra uma equipe de crianças. Mesmo como alemão, foi difícil assistir ao que estava ocorrendo.

Mas o que levou à goleada?

O que é certo é que a defesa brasileira falhou muito. David Luiz, Dante e Marcelo não se encontravam. Eles são grandes jogadores em seus clubes. Em alguns dos gols, via-se sete ou oito brasileiros dentro da área ou defendendo, contra três alemães e, mesmo assim, esses jogadores alemães apareciam totalmente livres na área.

O que isso mostra?

A realidade é que o Brasil não formou uma equipe de fato. O Brasil não tinha uma equipe na Copa do Mundo. O que o Brasil tinha em campo eram alguns astros isolados e, num Mundial, isso não é suficiente. Dependiam de Neymar e de Thiago Silva e, quando esses jogadores saíram, os que estavam em campo pareciam que não sabiam para quem tocar.

Que lição se tira disso?

A lição não é apenas para o Brasil. Seleções que foram ao Mundial apenas com astros e sem uma equipe não resistiram. Essa foi a Copa do coletivo. O que a Costa Rica fez foi justamente agir como um coletivo e surpreendeu até a Itália.

Muito se falou da preparação de longo prazo da Alemanha para chegar ao nível que está hoje. Qual foi o segredo?

Apostar nos jovens, nas equipes de base. Mas a realidade é que, na Alemanha, nós copiamos esse sistema da França. Foram eles quem apostaram nisso e funcionou. Em 1990, a França começou a preparar jovens para ter um time forte para disputar a Copa de 1998, em sua casa. É dessa geração que vem Zidane e outros. Na Alemanha, o que fizemos foi levar essa estratégia ao seu limite, obrigando a todos os clubes a ter escolinhas e times de base. E o que estamos vendo hoje é uma renovação dos jogadores sem qualquer buraco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.