Gabriel Bouys/AFP
Gabriel Bouys/AFP

Paris Saint-Germain anuncia a renovação de contrato de Marquinhos até 2024

Em vez de acordo do zagueiro com o clube durar até o meio de 2022, valerá agora por mais dois anos

Redação, Estadão Conteúdo

13 de janeiro de 2020 | 16h26

Sonho de alguns grandes clubes europeus como Manchester City e Real Madrid, o zagueiro brasileiro Marquinhos ficará onde está pelos próximos anos. Nesta segunda-feira, a diretoria do Paris Saint-Germain anunciou a renovação de contrato com o atleta, que terminaria ao final da temporada 2021/2022, por mais dois anos até 30 de junho de 2024.

Desde que chegou ao clube em 2013, contratado junto à Roma, o brasileiro tem 270 jogos com a camisa do Paris Saint-Germain, tendo marcado 20 gols e também contribuído com sete assistências, além de formar uma dupla de zaga sólida com o compatriota Thiago Silva. Atualmente, aos 25 anos, Marquinhos é vice-capitão do time da capital francesa.

No decorrer dos seus 270 jogos no Paris Saint-Germain, o brasileiro já conquistou 19 títulos: são cinco Campeonatos Francês (2014, 2015, 2016, 2018 e 2019), quatro Copas da França (2015, 2016, 2017 e 2018), cinco Copas da Liga Francesa (2014, 2015, 2016, 2017 e 2018) e cinco Troféus dos Campeões (2014, 2015, 2017, 2018 e 2019).

Mas nem tudo foi alegria para Marquinhos nas últimas horas. Na noite de domingo, a casa do zagueiro sofreu uma tentativa de assalto enquanto jogava contra o Monaco, no estádio Parque dos Príncipes, em Paris, pela 20.ª rodada do Campeonato Francês.

Marquinhos é mais um jogador alvo de assalto na França. Diferente de Thiago Silva e do também zagueiro Choupo-Moting, o brasileiro não teve prejuízos pois os assaltantes fugiram.

Desde 2018, alguns jogadores do Paris Saint-Germain tiveram as suas casas assaltadas. Choupo-Moting foi roubado enquanto estava no Parque dos Príncipes para encarar o Liverpool, pela Liga dos Campeões da Europa. Já Thiago Silva teve prejuízo de "centenas de milhares de euros".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.