Parma luta para continuar existindo

O novo administrador da Parmalat - indicado pelo governo da Itália -, Enrico Bondi, revelou que irá trabalhar para evitar que o Parma desapareça. Como a empresa está falida e seu antigo proprietário, Calisto Tanzi, foi preso, especula-se que o clube de futebol da primeira divisão italiana, do qual a multinacional é a principal acionista, seria vendido para ajudar a pagar suas dívidas.Enrico Bondi afirmou que não fará nada precipitado com o Parma, apesar da dívida da Parmalat chegar a quase 10 bilhões de euros. ?Não temos pressa. O primordial é salvar a equipe?, afirmou o executivo, que considera o clube um patrimônio da cidade - principalmente pelos títulos da Copa da Itália e da Copa da Uefa na década de 90.Nesta sexta-feira, o administrador teve um encontro com o técnico do time, Cesare Prandelli, para tranquilizá-lo. "Vou blindar a equipe para que os jogadores falem apenas de futebol e não de assuntos empresariais", disse o treinador.No próximo dia 9 será realizada uma assembléia de sócios do Parma, quando Enrico Bondi deve apresentar uma proposta financeira para a manutenção do clube.Mas os principais jogadores do elenco já estão deixando o Parma. O primeiro foi o meia-atacante japonês Nakata, que acertou ida para o Bologna. O goleiro italiano Frey e os dois brasileiros do grupo, o atacante Adriano e o lateral-esquerdo Júnior, também devem ser negociados, para diminuir a dívida e garantir a continuidade do clube.

Agencia Estado,

02 de janeiro de 2004 | 15h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.