Parmalat se desliga do Etti Jundiaí

O último vínculo da Parmalat, grupo ligado a laticínios e produtos alimentícios, com o futebol brasileiro não existe mais. Com suas fábricas trabalhando no vermelho no Brasil, o grupo italiano decidiu abandonar sua participação junto ao esporte, deixando o Etti Jundiaí, clube onde estavam concentrados seus investimentos no futebol desde o final da parceria com o Palmeiras. A empresa agora tenta encontrar uma saída para fazer a transição do clube para a cidade no período mais curto possível.A missão, a princípio, ficará à cargo de Marcos Bagatella, supervisor geral, que ainda aguardaria uma posição oficial da empresa de como encaminhar as negociações. A idéia é devolver o clube à comunidade com o apoio da prefeitura municipal, restabelecendo inclusive o seu nome original, que é Paulista Futebol Clube. O plano emergencial ainda não está traçado, mas a retirada do futebol é uma decisão irreversível. O orçamento anual da empresa, sempre apresentado em outubro, não prevê investimentos para o Etti Jundiaí.A transição seria bancada com as possíveis negociações de jogadores que ainda pertencem à empresa, como o meia Alex, do Cruzeiro; o meia Jackson, do Internacional; o lateral Arce, do Palmeiras. Além de outros menos cotados, como os zagueiros Sandro Blum, do Sport; e Índio, do Goiás; Neném, lateral direito do Cruzeiro. O objetivo é se desligar do Etti Jundiaí, no máximo, até junho.Uma das preocupações seria a disputa do torneio Rio-São Paulo, que garantiria prestígio e recursos para o clube. A própria presença do time estaria comprometida, uma vez que o Botafogo de Ribeirão Preto ainda pleiteia uma vaga na competição depois que perdeu lugar para o São Caetano.Marcos Bagatella desapareceu. Ele evita declarar a "quebra" do time para não atrapalhar os planos emergenciais. Mas as primeiras medidas de corte já foram tomadas: o gerente de futebol, Wilson Coimbra, foi demitido. Depois de viver sua melhor temporada, conquistando o título paulista da Série A-2 e o título brasileiro da Série C, o Etti Jundiaí vai mesmo desaparecer. O sonho da Parmalat em ganhar dinheiro com futebol no Brasil acabou. Para Jundiaí só resta a história e a tradição de uma associação fundada em 1909: o Paulista Futebol Clube. O futuro, porém, é incerto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.