Everton Oliveira/Estadão
Everton Oliveira/Estadão

Parque em Moscou resgata estátuas esquecidas da antiga URSS

Criado um ano após a extinção da União Soviética, local dispõe de mais de mil esculturas e causa controvérsia entre os russos

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2018 | 05h00

Um parque amplo, calmo, inquietantemente silencioso, mesmo com muitos visitantes. De barulho, apenas o do vento arrastando as folhas pelo chão e chacoalhando as árvores. Aqui, as conversas são sempre com voz baixinha, mais na base do sussurro. É essa a atmosfera que o visitante encontra no Museu Parque das Artes de Moscou, local que concentra mais de mil esculturas da União Soviética, muitas dos líderes que comandaram o país russo nos últimos séculos - o local é conhecido também como o Parque dos Monumentos Caídos.

+ Bunker da Guerra Fria vira atração turística e é ‘atacado’ por brasileiros

+ Fliperamas e games dos anos 80 formam o acervo de museu em Moscou

+ Museu em Moscou traz a conquista do espaço pela visão dos russos

Antes de entrar de cabeça no mundo das esculturas, uma breve história do parque. Ele foi criado em 1992, um ano após a extinção da URSS. Entre suas obras estão representados ali intelectuais como o revolucionário socialista Karl Marx, líderes soviéticos, como Lenin e Stalin, vítimas do Partido Comunista e ainda heróis e soldados da Segunda Guerra Mundial, conhecida na Rússia como a Grande Guerra Patriótica.

“Filho, larga o celular um pouco e vem aqui ver isso, ó”, em bom português, ouviu a reportagem durante a visita ao local. Tratava-se de Eduardo Barão, comerciante de Campinas, tentando convencer o filho, Nicolas, de 13 anos, a prestar atenção na obra Vítimas do Regime Totalitarista, feita em granito e em metal nos anos 80 pelo artista Evgeny Chubarov. A obra retrata os mortos pelo comunismo no século passado e impressiona pela feição dos rostos humanos com cara de dor e sofrimento esculpidos nas pedras, que se amontoam atrás de uma espécie de prisão.

No local, estão obras produzidas com vários materiais, de vários artistas. Além dos monumentos que representam a União Soviética, o período socialista e o comunismo no país, por lá pode-se observar trabalhos contemporâneos e de vanguarda. Há esculturas de Evgeny Vuchetich, Vladimir Lemport, Sergey Merkurov, Vera Mukhina, entre outros - Vera, inclusive, assina um dos monumentos mais visitados do local, chamado Exigimos Paz.

 

Mas por que Parque dos Monumentos Caídos? Explica-se: boa parte das estátuas foi removida de seus pedestais, em todo país, e colocadas no chão depois do fim do regime socialista da URSS. Com o tempo, muitas foram alvo de vandalismo até a criação do parque e a restauração de algumas dessas obras.

Controvérsia

O parque é controverso até entre os russos. Railya e seu namorado Igor discordam em relação ao simbolismo do local. “Isso não passa de lixo soviético. Os jardins são lindos, mas essas estátuas são feias demais”, dispara a garota. O rapaz discorda. “São estátuas. Não julgo se são bonitas ou feias. Fazem parte da história russa.”

Um dos monumentos mais controversos tem 98 metros de altura - o equivalente a um prédio de 20 andares. Trata-se de uma obra do artista da Geórgia Zurab Tsereteli que representa Pedro, O Grande, um dos maiores czares do Império Russo. O problema é que, de acordo com historiadores, ela teria sido feita para a Espanha por ocasião da Exposição Universal de Sevilla, em 1992, cujo tema foi A Era Dos Descobrimentos. Então, a obra teria sido criada para ser uma representação de Cristóvão Colombo, descobridor da América. Ninguém em território espanhol quis ficar com ela.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.