Parreira acha que adversários não vão ter medo do Brasil

O técnico da Carlos Alberto Parreira, disse nesta quinta-feira que não espera ver os adversários com medo da seleção brasileira durante a Copa do Mundo. "Acho que eles vão respeitar o Brasil, pela nossa história e pela amplitude que a seleção ganhou nos últimos tempos, mas não vejo medo", disse o treinador, em entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira, em Weggis, na Suíça, logo após o treino da tarde da seleção brasileira."Isso é até bom, já que eles vão sair para o jogo. É muito ruim jogar com alguém fechado atrás e correr o risco de levar um gol em contra-ataque", afirmou o técnico, que minutos antes havia comandado um treino tático com uma hora e meia de duração. Em boa parte do treino, ele ensaiou jogadas de contra-ataque no mano a mano contra a defesa brasileira. "Temos de saber nos posicionar sem a bola, para sair rapidamente quando estivermos com a bola", explicou.Parreira disse que tem espiões estudando os adversários do país na primeira fase - Croácia, Austrália e Japão -, mas que não pretende alterar o time de acordo com o rival. "A preocupação tem que ser como o nosso time", disse o técnico, que minimizou os empates recentes de Alemanha (2 a 2 com o Japão), Itália (1 a 1 com a Suíça) e Croácia (2 a 2 com o Irã). "Não podemos fazer julgamento por causa de amistosos. Copa do Mundo é diferente, as seleções tradicionais saberão se impor", disse.Edmílson x MineiroParreira lamentou o corte de Edmílson, que sofreu uma lesão no joelho direito, mas disse que não havia outra opção. "É um jogador importante, campeão do mundo, um iluminado, vai fazer falta, mas agimos rapidamente por causa do diagnóstico", afirmou. Segundo o médico José Luiz Runco, a recuperação de Edmílson levará de três a quatro semanas.Sobre o substituto, Mineiro, Parreira disse que o fato de ele estar em ação pelo São Paulo no Brasileirão foi um dos fatores que o tornou o jogador "mais indicado" para a vaga. "Ele já foi convocado outras vezes, foi destaque do São Paulo no Mundial", explicou.Mudança de planosO treino que estava programado para a manhã desta sexta-feira foi cancelado, porque, segundo Parreira, o trabalho está seguindo "dentro dos planos". "Ainda precisamos dar mais atenção às jogadas de bola parada, mas essa parada estava prevista", explicou o técnico.Os jogadores terão a manhã livre e atenderão à imprensa dentro do hotel, a partir das 12h30 (7h30 de Brasília). Será a primeira vez que a imprensa brasileira terá livre acesso à concentração da seleção em Weggis, dois dias depois do jantar que reuniu Parreira com alguns colunistas, no noite desta quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.