Parreira: "Agora chegou a hora boa"

"Agora é a hora boa", anunciou o técnico Carlos Alberto Parreira, nesta quinta-feira, em Colônia, ao comentar a participação do Brasil na semifinal da Copa das Confederações. "Chegamos ao momento que o jogador brasileiro gosta mais, que é a decisão, e contra adversário de peso. A Alemanha tem time jovem, mais veloz do que aquele de 2002, joga com o apoio de seu público, é a anfitrã do torneio, descansou e certamente será um desafio e tanto. Assim que é bom. Disso todos gostamos."Apesar do sufoco que o Brasil passou para ir à semifinal, garantindo apenas a segunda vaga de seu grupo, atrás do México e empatado com o Japão - levou vantagem no saldo de gols -, Parreira está animado. "Não desprezo o valor de quem quer que seja", avisou o técnico. "Mas uma coisa eu garanto: no mano a mano, sou mais o jogador brasileiro, contra quem for."Parreira também rechaçou qualquer comparação com a final do Mundial de 2002, em que o Brasil venceu a Alemanha no Japão e conquistou o pentacampeonato. "Revanche, se houver, só na final da Copa do ano que vem", explicou. "Mesmo assim, não será a mesma coisa. Aqui é Copa das Confederações e nem se trata de decisão, mas de semifinal."Nada de treino - Parreira deu folga aos jogadores nesta quinta-feira e terá conversa decisiva com o médico da seleção, José Luís Runco, para definir o time titular. Ele está disposto a colocar em campo apenas quem estiver bem, ou saudável, como definiu."Precisamos de uma dose a mais de dedicação", pediu Parreira. "Chegou a hora em que o jogador precisa dar aquela gotinha de sangue que vai definir tudo. Para tanto, quero um time com saúde, com disposição, que corra, que marque até o fim." Isso não significa, em princípio, que deva ocorrer alteração no esquema tático. Parreira reafirmou nesta quinta-feira que pretende ver até onde a opção por um quarteto de jogadores habilidosos no ataque vai levar a seleção. "Mudança, agora, só se for por problema físico", insistiu. "Estamos armando uma equipe e quero ver no que isso vai dar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.