Parreira aposta em Robinho em La Paz

Sem vários craques, a seleção brasileira aposta amanhã numa boa atuação de Robinho para tentar evitar o pior em La Paz. O atacante do Real Madrid vai ter um papel especial no jogo com a Bolívia. A partir de uma avaliação da comissão técnica, concluiu-se que ele é um dos atletas que devem sentir menos os efeitos da altitude. ?Por ser muito rápido, leve e inteligente, sua presença é indispensável nessa partida?, afirmou o treinador Carlos Alberto Parreira. ?Ele se destaca no toque de bola, na armação de jogadas e amanhã vai ter de voltar mais para ajudar a fechar o meio.? A movimentação esperada de Robinho deve desobrigar Adriano a recuar um pouco. O artilheiro da Inter de Milão ficará mais ?plantado? na frente, aguardando os lançamentos. No coletivo de 30 minutos realizado hoje pela manhã na Granja Comary, Robinho fez o gol dos titulares. Ricardo Oliveira marcou para os reservas. Parreira gostou do desempenho do ex-santista e comentou que a seleção desfruta de vários jogadores diferenciados. ?Com isso, não fica dependente de Ronaldo no ataque.? Robinho espera corresponder à expectativa do treinador. ?Toda oportunidade é bem vinda. Quem sabe consigo carimbar nesse jogo meu passaporte para a Copa do Mundo.? Ele disse que não terá problemas de entrosamento com Adriano. ?Jogamos juntos na Copa das Confederações. Já nos conhecemos bem.? Substituir Ronaldo não parece uma missão complicada para Robinho. ?Vou fazer o que sei.? Sorrisos - Parreira estava muito tranqüilo e ficou feliz com uma surpresa preparada por parentes: recebeu a visita da netinha Letícia, de 8 meses, na Granja Comary. Ao término do treino, pegou a menina no colo, fez pose para os fotógrafos e não queria largá-la. ?Ela traz muito sol, muita luz e muita alegria.? Dormindo com o inimigo - O lateral Gilberto está escalado para enfrentar os bolivianos, mas deve ceder a vez para Gustavo Nery no decorrer da partida. Os dois disputam uma vaga para o Mundial de 2006 e em Teresópolis ocuparam o mesmo quarto por quatro dias. Ele garantiu que em nenhum momento os dois conversaram sobre a futura escolha de Parreira. ?Falávamos sobre vários assuntos, de família, de clube, da seleção mesmo. Mas não tocamos na questão, seria delicado demais.?

Agencia Estado,

08 de outubro de 2005 | 12h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.