Adnan Abidi/Reuters
Adnan Abidi/Reuters

Parreira comenta desentendimento com técnico da França

Raymond Domenech se recusou a cumprimentar o técnico brasileiro, que teria falado mal da seleção francesa

AE, Agência Estado

22 de junho de 2010 | 14h23

O técnico brasileiro Carlos Alberto Parreira já passou por inúmeras situações em Copas do Mundo. Hoje, ele conheceu mais uma após a vitória da África do Sul por 2 a 1 sobre a França, na partida que culminou na desclassificação de ambas seleções da Copa do Mundo de 2010.

Veja também:

linkDerrota põe fim ao suplício da França na África do Sul

link África do Sul vence França no jogo de eliminados

link Uruguai vence o México, mas ambos se classificam

mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO - As melhores fotos do dia

mais imagens Confira a sequência da atitude de Raymond Domenech com Parreira

mais imagens Galeria de fotos do jogo

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador

Ao final da partida, Parreira tentou cumprimentar o técnico francês, Raymond Domenech, que recusou o cumprimento (confira a sequência). Na entrevista coletiva, o técnico brasileiro comentou o ocorrido. "O auxiliar dele falou que eu ofendi a seleção dele quando eles classificaram para o Mundial, dizendo que não era merecido por causa do gol irregular na última partida. Eu nem me lembro de ter dito isso. Isso só prova que há razões para ele não ser querido, como acontece na França", afirmou.

ORGULHO. O treinador lamentou as chances perdidas durante a participação no torneio, mas disse ter ficado satisfeito com seus jogadores. "Faltou sorte. Tivemos duas bolas na trave nestes três jogos que poderiam ter mudado tudo. Estivemos muito perto da classificação e sei que o país está orgulhoso da gente, como eu estou. Até o presidente da África do Sul (Jacob Zuma) foi ao vestiário nos parabenizar", declarou.

A última apresentação da África do Sul nesta Copa do Mundo marcou também o fim da era do técnico brasileiro à frente da seleção nacional. Demonstrando estar emocionado, Parreira agradeceu pela oportunidade e comentou sobre seu futuro.

"Até dezembro eu estou parado. Estou cansado. Foram nove meses de trabalho árduo com os sul-africanos. Agradeço a todos os jogadores que trabalharam comigo durante este período pela dedicação e empenho. Agora quero ficar com minha família, então devo aceitar propostas apenas de equipes no Brasil", completou o ex-técnico da seleção brasileira.

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.