Parreira compara seleção brasileira a um caminhão pesado

Carlos Alberto Parreira utilizou curiosa metáfora, nesta quinta-feira, para definir a situação do Brasil a quatro dias da estréia na Copa do Mundo. Comparou o time a um caminhão pesado. ?O difícil é tirar o caminhão da inércia, depois vai com o dedo?, afirmou. A análise do treinador faz referência ao primeiro jogo na competição, terça-feira, contra a Croácia, em Berlim. Talvez um tanto exagerada, mas que mostra sua preocupação com a falta de ritmo de jogo da equipe. A cada entrevista, Parreira lembra que a última partida oficial ocorreu há oito meses, em outubro do ano passado, contra a Venezuela, pelas Eliminatórias Sul-Americanas. Depois, disputou alguns amistosos e diante de adversários inexpressivos. Em 2006, os rivais foram Rússia, Nova Zelândia e Lucerna, clube suíço. Faz tempo que ninguém vê os brasileiros entrarem em campo para um confronto realmente importante e com grau de dificuldade elevado. Até agora, o favoritismo apontado pelos europeus - e por quase todo o mundo - deve-se à badalação dos jogadores e aos resultados conquistados nos últimos anos, como o título mundial de 2002, a Copa América de 2004 e a Copa das Confederações de 2005. É preciso lembrar, porém, que neste ano o Brasil praticamente não jogou. Por isso, torna-se justificável a preocupação de Parreira. E vale ressaltar fase irregular de Ronaldo, Adriano e Roberto Carlos, três jogadores importantíssimos em seu esquema. ?Não podemos entrar no primeiro jogo preocupados em fazer exibição de gala?, disse o treinador. ?Temos que ganhar, começar bem, para que a equipe adquira confiança e vá crescendo na competição.?O comandante brasileiro ressaltou a confiança no time, apesar do histórico recente de problemas físicos de Ronaldo e do péssimo ano de Adriano. Os atacantes titulares, por sinal, são temas de reportagens de jornais europeus com freqüência. A mídia os aponta como duas incógnitas para a competição, apesar da fama e do potencial de ambos. ?O time está definido e o Ronaldo está escalado para a estréia?, ratificou Parreira. ?Se nós fôssemos convocar jogadores que vocês (repórteres) dizem ser instáveis, metade não estaria aqui.?Desde o anúncio da lista final para a Copa, em 15 de maio, o técnico campeão do mundo em 1994 divulgou os titulares. E não fará alterações para o jogo contra a Croácia. Mas, nos últimos dias, vem deixando claro que pode trocar alguns atletas já para a segunda rodada. E Robinho, com bom desempenho nos treinos e ótima participação no amistoso contra a Nova Zelândia, começa a ganhar espaço e surge como forte candidato a uma vaga no ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.