Parreira confirma interesse por Dodô

Dodô é mesmo o centroavante que o técnico do Corinthians, Carlos Alberto Parreira, quer para o Campeonato Brasileiro, confirmando a informação que a Agência Estado publicou logo após a conquista da Copa do Brasil. O técnico explicou que pediu a contratação de dois atacantes e de um meia-esquerda, porém não indicou nenhum nome. "Apenas aprovei os nomes de cinco ou seis jogadores oferecidos ao clube por empresários e entre eles está o de Dodô, o que é muito diferente. Precisamos de um homem-gol e Dodô é um atacante muito bom, com quem trabalhei no Santos e que foi muito bem no Botafogo, do Rio. Agora vai depender do acerto entre as partes e isso é com os dirigentes." Parreira tinha acabado de saber que o vice-presidente Antônio Roque Citadini havia ficado irritado com o fato de o interesse por Dodô ter vazado e quando estava de saída do clube para São José dos Campos, para acompanhar o enterro do ex-jogador de basquete Ubiratan, respondeu a um repórter que entre o técnico querer Dodô e o Corinthians poder contratar vai uma distância muito grande. O técnico fez questão de reafirmar que não é de fazer exigências e sempre trabalhou com os jogadores que recebe quando assume um clube. "Só estou pedindo agora porque ficamos sem Deivid, nosso único jogador de área. Leandro, Luciano e Renato são meias, jogam mais atrás e não é a mesma coisa. Depois da saída de Luizão e Luís Mário a nossa sorte foi que Deivid não sofreu nenhuma contusão e nem teve problema de cartões, podendo jogar todas, senão, não teríamos ninguém para entrar no lugar dele." Enquanto não chega um atacante experiente para entrar direto no time, Parreira vai se precavendo e prepara Gilmar, que era do Corinthians B, e passou a treinar com o elenco depois da conquista do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil, para ser o quebra-galho. "Se não vier outro, vou ter que me virar com o que temos aqui." Sobre Dida, o técnico repetiu que seria muito importante a prorrogação do empréstimo junto ao Milan. "Mas, sinceramente, não sei nada de novo." Também os dirigentes alegam que nem mesmo o empresário do jogador, Reinaldo Pitta, sabe qual é a situação do jogador. "Nossa posição é de expectativa", diz Citadini, sem demonstrar o mesmo entusiasmo pela permanência do goleiro que tinha antes da Copa. Diante da indefinição em relação a Dida, Parreira pretende revezar Doni e Rubinho no gol corintiano nos quatro amistosos que o time vai disputar até a estréia no Campeonato Brasileiro para depois escolher o novo titular. No jogo-treino com o Jundiaí, quarta-feira à tarde, no Parque São Jorge, a vez será de Doni. "Isso porque ele vinha jogando, mas ainda não me decidi sobre quem será o titular." O Corinthians faz um amistoso com o Santos no dia 27 deste mês e outro com o Botafogo, no Rio. Ainda não está definido se a partida com o Santos será no Pacaembu ou Canindé. Parreira considera que o time corintiano está no ponto ideal na parte física, mas só vai voltar a ser competitivo após quatro ou cinco jogos."Quanto à maneira de jogar, o esquema tático, não pretendo fazer nenhuma alteração porque estamos com os mesmos jogadores do primeiro semestre. Não há como mudar porque o time joga a partir das características de seus atletas", concluiu o técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.