Parreira confirma o time da estréia

Carlos Alberto Parreira definiu nesta terça-feira o time do Brasil que enfrentará a Grécia, na quinta-feira, em Leipzig. Escalação sem mistério, apenas a impressão de que a Seleção sofrerá, e muito, na estréia na Copa das Confederações. A dúvida vem do coletivo desta terça no BayArena, estádio do Bayer Leverkusen. No modorrento treino entre titulares e reservas não saiu nenhum gol, nenhuma jogada brilhante. E duas perguntas sobraram: acabou o encanto da Seleção? E o Robinho pode brilhar? Parreira respondeu que não acabou o encanto. Gostou da forma como os titulares se comportaram e até por isso antecipou a escalação dos 11 eleitos para a estréia: Dida, Cicinho, Lúcio, Roque Júnior e Gilberto; Emerson, Zé Roberto, Kaká e Ronaldinho Gaúcho; Robinho e Adriano."Gostei do treino, o time ficou mais compacto. Os coletivos sempre são muito equilibrados. Foi ruim? No último coletivo antes de enfrentarmos o Paraguai disseram que foi um horror. Me perguntaram se gostei. Depois todos viram o que aconteceu..." Brasil 4 a 1, show de bola.Esta é a esperança do treinador: depois de um ensaio sem brilho uma apresentação de gala. Tudo muito bonito, porém, só na teoria. No exercício desta terça ficou claro que Cicinho joga pensando em ser centroavante e por isso levou um monte de bola nas costas. Kaká e Ronaldinho ainda não encontraram o tempo certo. Robinho e Adriano distantes como o Sol da Terra."O Robinho precisa encostar mais no Adriano, jogar no ataque. Pedi a ele que fizesse isso no treino. Esta Copa das Confederações será um grande teste para o Robinho", antecipou Parreira. Robinho que se cuide.Arrebenta na Alemanha ou adeus lugar entre os titulares.O craque do Santos recebeu o recado. Agora resta o jogo. A Seleção Brasileira deixou Leverkusen nesta terça-feira à noite em vôo fretado para Leipzig. Nesta quarta faz o treino de reconhecimento do gramado do Zentralstadion. E na quinta estréia contra a Grécia."O time deles não tem nenhum analfabeto de bola. Todos sabem jogar. Eles têm um esquema fechado, marcam pesado e são fortes nos contra-ataques sempre com três jogadores. E a jogada aérea é mortal", alerta Parreira. "Mas temos de fazer valer o nosso favoritismo. Devemos assumir e jogar como favoritos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.