Parreira culpa calor, cansaço e marcação

A culpa pelo futebol ruim apresentado na noite desta quarta-feira foi da retranca equatoriana. Esta foi a opinião dos jogadores da seleção brasileira e do técnico Carlos Alberto Parreira. Para o treinador, os adversários dificultaram muito a partida e impediram o desenvolver das jogadas. ?Eles ficaram com 10 lá atrás, marcaram o tempo todo. Nós tivemos poucas chances de gol, mas pelo menos saímos com uma vitória.? Para Parreira, o Brasil não conseguiu romper o bloqueio do Equador, mas, por outro lado, teve total domínio nos 90 minutos. ?Principalmente pela aplicação dos jogadores, evitamos um jogo que poderia ser dramático no final da partida?. O técnico ainda elogiou a atuação do meia Kaká, ?que deu mais velocidade às jogadas?. ?Aos poucos, ele vai sendo colocado na partida e, aos poucos, vai se firmando na seleção. É um processo natural para se tornar titular.? O futebol apresentado não foi o esperado pela torcida de Manaus, mas a justificativa estava na ponta da língua de todos os atletas depois da partida. ?Fazia muito tempo que eu não via um time tão recuado. Assim fica difícil jogar?, reclamou o lateral-esquerdo Roberto Carlos. ?Eles ficaram lá atrás o tempo todo e só tiveram uma única chance nos dois tempos.? Ainda no intervalo, o 1 a 0 já não agradava e Rivaldo reclamou que a forte marcação adversária estava dificultando o jogo do Brasil. ?Eles vieram muito fechados, a gente tem de tocar mais rápido para tentar romper a defesa deles.? Passados mais 45 minutos, o discurso era praticamente o mesmo, agora com o lateral-direito Cafu. ?Não davam espaço, a gente até tentou tocar mais rápido, mas não conseguimos ampliar o placar?, disse Cafu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.