Parreira debocha e bebe água da "casa"

A polêmica da famosa água tomada por Branco na Copa de 1990, na Itália, na partida contra a Argentina, pelas oitavas-de-final, voltou a ser assunto às vésperas do clássico sul-americano, marcado para esta quarta-feira, no Monumental de Nuñez. Nos últimos dias, meios de comunicação do Brasil chegaram a dizer que a delegação levaria para Buenos Aires vários litros de água por não confiar na servida pelos argentinos. O Diário Olé trouxe reportagem sobre o tema, na edição de segunda-feira, ironizando os brasileiros. Carlos Alberto Parreira, esbanjando bom humor depois da vitória sobre o Paraguai por 4 a 1, deu o troco e debochou da imprensa argentina, durante entrevista coletiva, no hotel em que a delegação está hospedada. Sobre a mesa do treinador havia várias garrafas de água da casa, da marca Villavicencio. Tudo bem preparado pelo staff da seleção brasileira. O que Parreira mais esperava era, justamente, uma pergunta a respeito dessa questão. Um repórter de Buenos Aires realizou seu desejo. A resposta, ríspida, foi seguida de uma fina ironia. "Estamos comendo comida argentina e bebendo água argentina, estão falando muita besteira, não temos nenhum problema com isso", rebateu. Parreira, então, levantou o copo, fez um brinde e bebeu o líquido com ar de satisfação. "Olha, não sei se foi coincidência, mas estou até me sentindo melhor agora." A água - Em 90, no Mundial, durante confronto entre Brasil e Argentina, o lateral Branco aceitou água oferecida por membros da comissão técnica da Argentina e começou a se sentir tonto, fraco. Agora, em 2005, vários personagens daquela partida, como Maradona, revelaram que a água estava "batizada" - continha substâncias com efeito de tranqüilizantes. Os brasileiros perderam por 1 a 0 e acabaram eliminados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.