Parreira define o time para a estréia

O time do Brasil para a estréia nas eliminatórias do Mundial de 2006, domingo, contra a Colômbia, já está definido pelo técnico Carlos Alberto Parreira. Só em caso de contusão ou algo extraordinário, ele não levará a campo Dida; Cafu, Lúcio, Roque Júnior e Roberto Carlos; Gilberto Silva, Emerson, Zé Roberto e Alex; Rivaldo e Ronaldo. Parreira, no entanto, só anunciará formalmente a escalação sábado, após o treino no Estádio Metropolitano Roberto Melendez, em Barranquilla. A viagem para a cidade ao norte da Colômbia está prevista para a tarde desta sexta-feira, em vôo fretado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Antes, a equipe realiza outro coletivo em Teresópolis, região serrana do Rio. São vários os indícios de que Parreira não tem mais dúvidas para escalar o Brasil. Em um bate papo com repórteres, disse que a seqüência de treinos vai dar ritmo à equipe. Na terça-feira, optou por Alex e Emerson no meio num minicoletivo de apenas 20 minutos. Hoje, titulares e reservas se enfrentaram por 55 minutos. Por 35, novamente com os meias de Cruzeiro e Roma. E o treinador antecipou que vai começar o treino da manhã desta sexta sem nenhuma alteração. A definição do time também pode ser atestada pelo fato de que gastou um tempo razoável com os jogadores de colete azul, hoje, antes do treino coletivo, para falar de que forma gostaria de ver a equipe atuando contra a Colômbia. No grupo estavam Alex e Emerson, ao lado dos outros nove titulares da seleção. Por 35 minutos, Alex esteve bem, eficiente nos lançamentos e buscando deslocamentos. Emerson fez o de sempre: empenhou-se para desarmar os adversários, no que teve uma luta ingrata com o habilidoso Diego. Com a entrada de Kaká no lugar de Alex, e de Renato para a vaga de Emerson, o time passou a ser mais ofensivo. Os titulares perdiam por 1 a 0, gol de Luís Fabiano. Após as mudanças, o placar virou para 2 a 1, com gols de Ronaldo e Zé Roberto. Foi perceptível a diferença na criatividade da equipe com a presença de Renato. E Kaká chegou mais ao ataque, procurando tabelas com Rivaldo e Ronaldo. Mas Parreira quer manter Emerson pela experiência do jogador da Roma e também Alex, que alimenta melhor Ronaldo, com lançamentos precisos, e, principalmente, pela atual fase do meia no Cruzeiro. Para o treinador, Alex é o grande destaque do Campeonato Brasileiro e vai ser útil à equipe na ausência de Ronaldinho Gaúcho. "Não levo em consideração resultado de coletivo", disse Parreira, para desfazer qualquer questionamento sobre a derrota parcial dos titulares com Alex e Emerson no time. "O importante é o que produziram, dentro do esquema tático que se pretende montar." Portanto, Kaká e Renato são opções para o segundo tempo do confronto com a Colômbia. Até o coordenador-técnico Zagallo deixou escapar isso. "Nem sempre o time que treina mais é o que joga. Mas quase sempre o que treina junto mais vezes é o que entra em campo. Tire a sua conclusão", disse, com um leve sorriso. Motivação - O engenheiro-terapeuta Evandro Mota deu uma palestra hoje à noite aos jogadores, em que ressaltou a importância de o grupo se manter motivado. "Trabalhar com um time campeão é mais fácil. Esses jogadores são predadores de títulos. Sempre querem mais um. E o Zagallo é o exemplo perfeito para todos eles", disse Mota. Ele usou imagens do coordenador-técnico da seleção na palestra. Mota trabalhou para a seleção nas Copas de 1994 e 1998.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.